Brasil

Lula anuncia Aloizio Mercadante como próximo presidente do BNDES

Ex-ministro afirmou que o governo Bolsonaro 'quebrou o Estado brasileiro'

O coordenador dos grupos técnicos da transição de governo, Aloizio Mercadante, chega ao Centro Cultural Banco do Brasil (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O coordenador dos grupos técnicos da transição de governo, Aloizio Mercadante, chega ao Centro Cultural Banco do Brasil (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

AA

Alessandra Azevedo

Publicado em 13 de dezembro de 2022 às 16h20.

Última atualização em 13 de dezembro de 2022 às 17h30.

O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) anunciou nesta terça-feira, 13, que o ex-ministro Aloizio Mercadante será presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) a partir de 2023.

Assine a EXAME por menos de R$ 0,37/dia e acesse as notícias mais importantes do Brasil em tempo real.

"Quero dizer para vocês que não é mais boato. Aloizio Mercadante será presidente do BNDES", afirmou Lula, em evento no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), sede da transição, em Brasília.

Atualmente, Mercadante atua como coordenador dos grupos técnicos da equipe de transição. Durante os governos da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), o economista esteve à frente de três ministérios: da Educação, da Casa Civil e da Ciência, Tecnologia e Inovação.

O BNDES deve ser vinculado ao Ministério da Indústria e Comércio (MDIC), que será recriado a partir da divisão do atual Ministério da Economia. Lula ainda não anunciou quem comandará a pasta.

Na semana passada, Mercadante afirmou que o governo Bolsonaro "quebrou o Estado brasileiro" e que serviços essenciais "já estão paralisados ou correm grande risco de serem totalmente comprometidos". O Ministério da Economia rebateu, em nota.

Nesta terça-feira, em evento no CCBB, Mercadante reforçou a conclusão dos grupos de trabalho. "O governo disse que a situação fiscal está muito boa. Muito boa para quem?", questionou.

"Para qualquer área que a gente tem olhado não tem dinheiro", afirmou Mercadante. Ele citou a falta de verbas para livros didáticos, merendas escolares, bolsas de estudo, Farmácia Popular, tratamento de câncer, entre outras áreas.

Mercadante garantiu que o governo eleito fará um "revogaço" em várias ações da gestão atual. A intenção, segundo ele, é "avaliar cada medida e suas implicações" e decidir, com Lula, o que será revogado, com base nos diagnósticos apresentados pelos 32 grupos de trabalho da transição.

Quem é Aloizio Mercadante

Mercadante, 68 anos, é um economista com longa história no PT. Já foi vice-presidente nacional do partido e chegou a ser candidato a vice-presidente na chapa de Lula à Presidência, em 1994. A trajetória política começou ainda na década de 1970, quando era estudante na Faculdade de Economia da Universidade de São Paulo (USP).

Em 1991, Mercadante assumiu o primeiro mandato de deputado federal, eleito por São Paulo. Em 1998, foi eleito novamente para a Câmara e, quatro anos depois, para o Senado. Pediu licença para concorrer ao governo de São Paulo, em 2006, mas perdeu a disputa para José Serra (PSDB) naquele ano e voltou para terminar o mandato de senador.

Depois de cumprir os oito anos no Senado, Mercadante foi nomeado ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, em 2011. No ano seguinte, assumiu o Ministério da Educação, no lugar de Fernando Haddad, que deixou o posto para concorrer à prefeitura de São Paulo.

Em fevereiro de 2014, Mercadante passou a ser ministro da Casa Civil. Voltou ao Ministério da Educação em outubro de 2015 e permaneceu no cargo até o impeachment de Dilma, em 2016. Hoje, o economista preside a Fundação Perseu Abramo, braço acadêmico do PT.

Acompanhe tudo sobre:Aloizio MercadanteBNDESLuiz Inácio Lula da Silva

Mais de Brasil

Moraes dá 10 dias para SP explicar modelo de escolas cívico-militares

Cultura pede recursos para evitar fechamento dos museus da República, Histórico Nacional e Imperial

Saiba quais ministros do STF ainda vão se posicionar sobre o porte de maconha para uso pessoal

Porte de maconha para uso pessoal: veja como cada ministro do STF votou sobre a descriminalização

Mais na Exame