Brasil

Lula afirma que governo vai demarcar novas terras indígenas nesta terça-feira

O anúncio de Lula acontece em meio ao julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a tese do marco temporal para a demarcação de terras indígenas

Lula: novas terras indígenas serão demarcadas (Ricardo Stuckert/PR/Flickr)

Lula: novas terras indígenas serão demarcadas (Ricardo Stuckert/PR/Flickr)

André Martins
André Martins

Repórter de Brasil e Economia

Publicado em 5 de setembro de 2023 às 09h41.

Última atualização em 5 de setembro de 2023 às 09h42.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou nesta terça-feira, 5, que o governo federal vai demarcar novas terras indígenas e áreas de proteção ambiental. O anuncio foi feito durante o programa "Conversa com o Presidente", a live semanal de Lula.

O petista garantiu que os atos serão assinados durante cerimônia no Palácio do Planalto para o Dia da Amazônia, marcada para às 15h. "Hoje é Dia da Amazônia. Vai ter uma atividade no Palácio do Planalto com a ministra Marina Silva (Meio Ambiente) e a ministra Guajajara (Povos Indígenas). Vamos demarcar algumas terras indígenas, demarcar algumas áreas de proteção ambiental", disse. 

Em abril, o governo assinou a demarcação definitiva de seis terras indígenas em seis estados. Foram as primeiras demarcações homologadas desde 2018. Hoje, o Brasil tem 732 áreas indígenas demarcadas que, juntas, ocupam 13,8% da extensão do país.

Marco temporal no STF e no Senado

O anúncio de Lula acontece em meio ao julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a tese do marco temporal para a demarcação de terras indígenas. A ação está 4 a 2 contra o marco. Edson Fachin, relator do caso, Alexandre de Moraes, Cristiano Zanin e Luís Roberto Barroso votaram contra e os ministros Nunes Marques e André Mendonça votaram a favor. Uma das alternativas apresentadas por Alexandre de Moraes em seu voto é que os donos de terras que tenham que deixar os imóveis recebam uma indenização do governo. 

Os ministros analisam a disputa pela posse da Terra Indígena Ibirama-Laklãnõ, em Santa Catarina. No local vivem indígenas Xokleng, Guarani e Kaingang, e o governo catarinense entrou com pedido de reintegração de posse. A ação é de repercussão geral — ou seja, que reverbera em outras decisões. Hoje, o Brasil tem mais de 300 processos em aberto sobre demarcação de terras. 

Além do julgamento no STF, o assunto está em discussão no Congresso. No dia 23 de agosto, a Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado aprovou o projeto de lei sobre o marco temporal.

O que é o marco temporal?

O Marco temporal é uma tese jurídica segundo a qual os povos indígenas têm direito apenas às terras que ocupavam ou já disputavam em 5 de outubro de 1988, data de promulgação da Constituição. O projeto de lei do marco temporal - que, no Senado, virou o PL nº 2.903/2023 - tem por objetivo acrescentar um prazo inicial para que as terras indígenas sejam demarcadas, estabelecendo a data de promulgação da Constituição Federal de 1988 como critério. Caso o PL seja aprovado, apenas territórios ocupados por indígenas a partir desse marco poderão ser demarcados. Em contrapartida, reservas indígenas também poderão ser desalojadas.

Acompanhe tudo sobre:Luiz Inácio Lula da SilvaIndígenasMarina Silva

Mais de Brasil

Pesquisa encontra agrotóxicos em alimentos ultraprocessados com apelo ao público infantil

STF cria marco civilizatório ao proibir exposição de vida sexual de vítima, dizem advogados

Seguradoras irão pagar, no mínimo, R$ 1,6 bilhão em indenizações no Rio Grande do Sul

Governo libera verba extra de R$ 22 milhões para as universidades do RS

Mais na Exame