Brasil

Líder do PR diz que bancada está dividida entre Lula e Bolsonaro

Segundo José Rocha (BA), as alianças regionais nos Estados têm contribuído para a divergência interna

Há deputados que preferem Bolsonaro e outros que são favoráveis a apoiar o Lula (Paulo Whitaker e Rodolfo Buhrer/Reuters)

Há deputados que preferem Bolsonaro e outros que são favoráveis a apoiar o Lula (Paulo Whitaker e Rodolfo Buhrer/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 17 de julho de 2018 às 18h16.

Brasília - O líder do PR na Câmara dos Deputados, José Rocha (BA), disse ao Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, que a bancada do partido está dividida entre apoiar as pré-candidaturas de Jair Bolsonaro (PSL) ou do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que, mesmo condenado e preso, é indicado pelo seu partido para disputar o cargo. Segundo Rocha, as alianças regionais nos Estados têm contribuído para a divergência interna.

"A bancada está meio a meio. Há deputados que preferem Bolsonaro e outros que são favoráveis a apoiar o Lula. O Valdemar (Costa Neto) tem um mapa de como estão as disposições regionais", disse antes de negar que a indecisão seja contraditória. "O PR está próximo ao centro. Se for com Lula, será próximo da centro-esquerda. Se for Bolsonaro, estaremos com a centro-direita", disse. Ele afirmou ainda que apenas uma pequena parcela do partido está entusiasmada com a pré-candidatura de Ciro Gomes (PDT).

Sob o comando de Valdemar Costa Neto, condenado no mensalão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o PR tem sido cortejado tanto pelo PT, como por PSL e PDT. Bolsonaro, por exemplo, queria o senador Magno Malta (PR-ES) como vice em sua chapa, mas o parlamentar recuou. No lugar, o partido de Valdemar sugeriu o nome do empresário Josué Gomes, que se filiou ao PR no início de abril, mas não teria agradado à campanha de Bolsonaro. Na prática, o PR pode agregar cerca de 45 segundos ao tempo de televisão de Bolsonaro. Sozinho, pelo PSL, o pré-candidato terá menos de 10 segundos.

"Seria extremamente importante 45 segundos a mais no horário eleitoral, mas nem tudo vale 45 segundos. Como explicar para o nosso eleitorado essa pessoa (Josué Gomes) ao lado do Bolsonaro? Melhor manter os 25% (de intenção de voto) do que vender a alma para o diabo. Nós queríamos o PR com o Magno Malta, que é uma pessoa que já defende a mesma linha que nós. Agora o Josué tem um outro perfil. Não tem como colocar a linha do petista do PR na campanha, essa pessoa (Josué) tem a linha petista. É inexplicável isso para os nossos seguidores", disse o deputado Waldir (PSL-GO).

Josué Gomes é presidente da indústria têxtil Coteminas e filho do ex-vice-presidente José Alencar (que morreu em 2011). Ele já foi estimulado pelo próprio ex-presidente Lula a se aventurar como cabeça de chapa. Em 2014, o empresário disputou uma vaga no Senado pelo MDB, seu antigo partido, e conquistou 3,6 milhões de votos, mas não foi eleito.

Um dos entusiastas da aliança entre PR e Bolsonaro, o deputado federal Capitão Augusto (PR-SP) afirma que a parceria depende agora apenas do presidenciável. Ele diz que a aliança seria o casamento perfeito. "O ideal é alguém que não atrapalhe o Bolsonaro e que tenha um pensamento aliado". Segundo ele, o prazo para essa parceria se consolidar é quarta-feira.

Acompanhe tudo sobre:Câmara dos DeputadosEleiçõesEleições 2018Jair BolsonaroLuiz Inácio Lula da Silva

Mais de Brasil

Motor de maior avião de passageiros do mundo tem falha em decolagem em São Paulo

Climatempo emite alerta de perigo para RS esta semana; chuva deve voltar ao estado

Lula se reúne com aliados políticos para discutir reação a projeto sobre aborto na Câmara

PL do Aborto gera manifestações em ao menos oito cidades

Mais na Exame