A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Lava Jato seguirá intocável, diz novo ministro da Justiça

Serraglio considera José Mariano Beltrame um bom nome para secretaria nacional da Segurança Pública, mas tomará decisão em conjunto com Temer

Brasília - Os brasileiros não precisam se preocupar com a autonomia do Ministério Público e da Polícia Federal no andamento das investigações da Operação Lava Jato, informou o novo ministro da Justiça e Segurança Pública, Osmar Serraglio (PMDB-PR), em entrevista a EXAME.com na noite desta quinta-feira (23).

“É preciso deixar claro que o Ministério da Justiça e Segurança Pública não tem nenhuma possibilidade de interferir no andamento da Lava Jato. Quem cuida das investigações é o Ministério Público e a Polícia Federal. Ambos têm autonomia e seguirão tendo total independência”, disse Serraglio. “A Lava Jato é uma conquista nacional. É e seguirá intocável”.

Durante a conversa, o substituto de Alexandre de Moraes - aprovado pelo Senado como novo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) na quarta-feira (22) - explicou sua estratégia para conquistar apoio em torno de seu nome para o Ministério da Justiça e Segurança Pública. De acordo com Serraglio, a atuação do líder do PMDB na Câmara dos Deputados, Baleia Rossi (PMDB-SP), foi determinante para que o presidente Michel Temer (PMDB) o escolhesse como titular da pasta.

Indagado sobre a secretaria nacional de Segurança Pública, o novo ministro afirmou que conversará com Temer e que a decisão sobre quem assumirá o cargo será conjunta. O ex-secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, não está descartado. “É um bom nome, um bom quadro”.

Veja os principais trechos da entrevista:

EXAME.com: Muitos membros do PMDB estão na mira da Lava Jato. Como ministro da Justiça e Segurança Pública, o senhor não teme uma eventual pressão de correligionários para interferir nas investigações? A Lava Jato corre algum risco?

Osmar Serraglio: É preciso deixar claro que o Ministério da Justiça e Segurança Pública não tem nenhuma possibilidade de interferir no andamento da Lava Jato. Quem cuida das investigações é o Ministério Público e a Polícia Federal. Ambos têm autonomia e seguirão tendo total independência. A Lava Jato é uma conquista nacional. É e seguirá intocável.

Ainda que seja intocável, o senhor pode sofrer pressão da classe política para intervir na operação. O senhor está preparado para isso, ministro?

Não há nada que possa parar um trabalho respeitado e demandado pela sociedade. Se um político, independente do seu partido, cometeu algum ato ilícito, terá que responder por isso. É isso que eu defendo.

Há alguma possibilidade de mudar a direção da Polícia Federal? O diretor-geral Leandro Daiello continuará no cargo?

Acredito que as investigações são necessárias para passar a limpo o Brasil, responsabilizando aqueles que, com os seus crimes, colocaram o país nessa situação delicada. O trabalho de Daiello foi essencial para que as investigações avançassem. No que depender de mim, ele permanece.

Após a indicação do senhor, o vice-presidente da Câmara, Fábio Ramalho (PMDB-MG), anunciou desembarque do governo, afirmando que Temer não prestigia a bancada mineira da Casa. Como o senhor contribuirá para restabelecer a unidade do PMDB e da bancada mineira?

Vou me esforçar para que isso aconteça. A insatisfação da bancada mineira com o governo é consequência de eventos anteriores. Minha indicação ao Ministério da Justiça e Segurança Pública pode ter sido a gota d’água, mas não foi o estopim.

Em um determinado momento, eles acreditavam que Newton Cardoso Jr. (PMDB-MG) seria indicado para o Ministério da Defesa. Isso acabou não acontecendo e eles se frustraram.

Essa expectativa permaneceu viva entre os integrantes da bancada mineira. Eles sempre faziam o alerta de que nunca Minas Gerais tinha ficado privada de ministérios.

Na semana passada, muitos nomes de Minas Gerais surgiram entre os cotados para assumir o Ministério da Justiça. Além do deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), também foram cotados Carlos Velloso e José Bonifácio Borges de Andrada.

Surgiu, porém, a necessidade de uma definição rápida para que o PMDB não perdesse esse espaço. Quando a possível nomeação de Rodrigo Pacheco perdeu força, começaram a surgir nomes ligados ao PSDB, como o de Velloso e Bonifácio Andrada. Isso preocupou o PMDB.

Diante desse cenário, o líder do PMDB na Câmara, Baleia Rossi (SP), conduziu a alternativa de me indicar para o Ministério da Justiça e Segurança Pública. Ele conduziu de uma maneira que dificilmente Temer recusaria a indicação.

Por que o presidente não recusaria a sugestão?

Tenho perfil técnico e sou político ao mesmo tempo. Sou professor de direito há mais de 20 anos, presidi a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) na Câmara. Estou no meu quinto mandato como deputado federal. Tudo isso foi apresentado ao presidente Temer, com a garantia de que a presidência da CCJ na Casa ficaria nas mãos de um parlamentar da bancada mineira. 

O senhor acredita que a reação de Fábio Ramalho foi exagerada?

Acho que o Fabinho, com todo respeito e amizade que temos, está desconsiderando que ele representa Minas Gerais como vice-presidente da Câmara. A bancada de Minas ficará com o comando da CCJ, a comissão mais importante da Casa.

Diante de divergências dentro do PMDB, como o senhor fortaleceu sua indicação ao ministério?

Eu consegui o apoio de uma composição de forças. Tenho um bom trânsito na Câmara. Na disputa pela vice-presidência da Câmara, apresentei candidatura avulsa e perdi no segundo turno para o Fabinho. Tive 204 votos. 

Sempre me coloco à disposição aos colegas. Isso contribuiu para que eu ampliasse meu leque interno. Liguei para todo mundo e criei a empatia necessária para que o PMDB fechasse questão em apoio a minha indicação. O líder Baleia Rossi foi meu grande aliado e ajudou no intuito de assegurar ao PMDB o ministério.

O senhor já definiu quem assumirá a Secretaria Nacional de Segurança Pública? O ex-secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, continua no páreo?

É um cargo muito importante, porque seu titular ficará encarregado de acompanhar a crise penitenciária e a conduta de organizações criminosas. Beltrame é um bom nome, um bom quadro. Vou conversar com o presidente Temer e decidiremos em conjunto a melhor alternativa para o cargo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também