Acompanhe:

Lava Jato denuncia Jucá por corrupção na Transpetro e propina de R$ 1 mi

Valor corresponde a parte das propinas pagas pela Galvão Engenharia; segundo a Lava Jato, o pagamento "teria sido disfarçado por meio de doação eleitoral"

Modo escuro

Continua após a publicidade
Romero Jucá: ex-senador foi denunciado pela Lava Jato do Ministério Público Federal no Paraná (Jefferson Rudy/Agência Senado/Divulgação)

Romero Jucá: ex-senador foi denunciado pela Lava Jato do Ministério Público Federal no Paraná (Jefferson Rudy/Agência Senado/Divulgação)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 4 de junho de 2019 às, 10h05.

São Paulo — A Lava Jato do Ministério Público Federal no Paraná denunciou o ex-senador e atual presidente do MDB, Romero Jucá, e o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado pelo envolvimento em esquema de corrupção mantido na subsidiária da Petrobras. Segundo a denúncia, Jucá recebeu pagamentos ilícitos de pelo menos R$ 1 milhão em 2010 em razão de quatro contratos e sete aditivos celebrados entre a Galvão Engenharia e a Transpetro.

Segundo a força-tarefa, a Galvão Engenharia - em razão de contratos e aditivos mantidos na Transpetro e "com o objetivo de continuar recebendo convites para participar das licitações da estatal" - efetuava o pagamento de propinas de 5% do valor de todos os contratos com a subsidiária da Petrobras "a integrantes do MDB que compunham o núcleo de sustentação de Sérgio Machado", então presidente da estatal.

A denúncia aponta que Machado foi indicado e mantido no cargo por Romero Jucá e integrantes do MDB e tinha "a função de arrecadar propinas para seus padrinhos políticos". Segundo o MPF, em contrapartida ao pagamento de propinas pelas empresas, Sérgio Machado, "garantiria às empreiteiras a continuidade dos contratos e a expedição de futuros convites para licitações".

O pagamento da propina pela Galvão Engenharia teria sido disfarçado por meio de doação eleitoral oficial de R$ 1 milhão. Segundo a denúncia, em junho de 2010, a empresa efetuou o repasse "desses subornos" para Romero Jucá ao Diretório Estadual do PMDB no Estado de Roraima. "As propinas, assim, irrigaram a campanha de reeleição de Jucá ao Senado, bem como as campanhas do filho e de ex-esposa para o Legislativo", diz o MPF.

As investigações indicam que a Galvão Engenharia "não tinha qualquer interesse em Roraima que justificasse a realização da doação oficial, a não ser o direcionamento de propinas para Romero Jucá".

A força-tarefa Lava Jato em Curitiba já ofereceu cinco denúncias relativas ao esquema de corrupção na Transpetro. Segundo o Ministério Público Federal, o esquema de corrupção investigado perdurou pelo menos até 2014, favorecendo empresasque pagavam vantagens indevidas ao então presidente da estatal, Sérgio Machado, e políticos responsáveis por sua manutenção no cargo.

Defesas

A reportagem está tentando contato com o ex-senador Romero Jucá, com Sérgio Machado e comrepresentantes da Transpetro e da Galvão Engenharia. O espaço está aberto para as manifestações de defesa.

Últimas Notícias

Ver mais
TSE vota amanhã regra para inteligência artificial nas eleições
Brasil

TSE vota amanhã regra para inteligência artificial nas eleições

Há 3 horas

Multas eleitorais podem ser pagas com Pix, boleto ou cartão de crédito
Brasil

Multas eleitorais podem ser pagas com Pix, boleto ou cartão de crédito

Há 3 horas

Lula lança programa para destinar imóveis abandonados da União para moradia
Brasil

Lula lança programa para destinar imóveis abandonados da União para moradia

Há 3 horas

Governo federal repassa a antiga Estação Leopoldina para a prefeitura do Rio
Brasil

Governo federal repassa a antiga Estação Leopoldina para a prefeitura do Rio

Há 3 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais