Brasil

Jungmann: Moro colaborou para homicídios caírem, mas crédito é dos estados

Para ex-ministro da Segurança Pública, pasta que hoje está sob responsabilidade de Moro, crimes têm diminuído desde 2018

Raul Jungmann: "Não quer dizer que o governo federal não colabore, mas são os governos estaduais que cuidam da Segurança Pública" (Marcelo Camargo/Agência Brasil/Agência Brasil)

Raul Jungmann: "Não quer dizer que o governo federal não colabore, mas são os governos estaduais que cuidam da Segurança Pública" (Marcelo Camargo/Agência Brasil/Agência Brasil)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 30 de janeiro de 2020 às 13h09.

Última atualização em 30 de janeiro de 2020 às 13h19.

São Paulo — O ex-ministro de Segurança Pública, Raul Jungmann, elogiou a redução dos índices criminais, em especial, o dos homicídios em 2019, comemorada pelo atual ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, nas redes sociais. "A queda do número de homicídios começou em 2018."

O ministro Moro continuou e acelerou essa queda", afirmou o ex-ministro ao Broadcast Político.

Jungmann, contudo, defende que o protagonismo do avanço em Segurança Pública "pertence aos governos estaduais". "Não quer dizer que o governo federal não colabore, mas são os governos estaduais que cuidam da Segurança Pública", disse Jungmann. "Desconheço instrumentos do governo federal para combater homicídios", afirmou.

O ex-ministro participou nesta quinta-feira, 30, do ciclo de palestras "O Futuro da Segurança Pública no Brasil" realizado em São Paulo pela Escola de Negócios Trevisan e pelo Instituto para Reforma das Relações entre Estado e Empresa (IREE).

Durante sua fala, Jungmann defendeu que "o nosso sistema de segurança aumenta, promove e amplia a insegurança e a violência".

Acompanhe tudo sobre:CrimeHomicídiosRaul JungmannSegurança públicaSergio Moro

Mais de Brasil

MEC suspende criação de cursos a distância até 2025 e fixa prazo para criar novas regras

Deputada Luiza Erundina tem alta de hospital em Brasília após três dias internada

Lula, Haddad, Mercadante e mais: veja repercussão da morte de Maria da Conceição Tavares

Mais na Exame