Brasil

"Isso não me enfraquece", diz Dilma sobre xingamentos

Durante o jogo entre Brasil e Croácia, a torcida brasileira xingou, em coro, a presidente quatro vezes


	Dilma: "Isso não me enfraquece. Eu não me abaterei por isso"
 (Reuters)

Dilma: "Isso não me enfraquece. Eu não me abaterei por isso" (Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 13 de junho de 2014 às 15h26.

São Paulo - "Eu não vou me deixar perturbar por xingamentos que não podem nem ser escutados por crianças", disse nesta manhã a presidente Dilma Rousseff sobre as ofensas direcionadas a ela durante o jogo de abertura da Copa do Mundo nesta quinta-feira.

Durante o jogo entre Brasil e Croácia, a torcida brasileira xingou, em coro, a presidente quatro vezes.

"Na minha vida eu suportei agressões físicas - não foram agressões verbais - quase insuportáveis e nada me tirou do meu rumo, nada me tirou dos meus compromissos nem do caminho que eu tracei pra mim mesma", disse no final de seu discurso na inauguração do primeiro trecho do BRT Expresso DF, no Distrito Federal. 

"Isso não me enfraquece. Não serão xingamentos que vão me intimidar, me atemorizar. Eu não me abaterei por isso", completou. 

Dilma disse ainda que o povo brasileiro é generoso e educado.

"Eu conheço o povo brasileiro e ele não pensa e não age assim. Sobretudo, o povo brasileiro não sente da forma que esses xingamentos expressam", concluiu a presidente. 

Entre analistas políticos, a troca da vaia da Copa das Confederações pelo xingamento de baixo calão foi considerada desrespeitosa não somente à Dilma, mas ao cargo que ela ocupa. 

Veja no vídeo abaixo um desses momentos: 

//www.youtube.com/embed/0oW-A21gzms?rel=0

Acompanhe tudo sobre:Copa do MundoDilma RousseffEsportesFutebolGoverno DilmaPersonalidadesPolítica no BrasilPolíticosPolíticos brasileirosPT – Partido dos TrabalhadoresVídeos de Brasil

Mais de Brasil

Secretário de Turismo diz que 53% das atrações públicas do RS foram danificadas

Prefeito de Canoas diz que reconstrução de prédios públicos demanda mais de R$ 200 milhões

OPINIÃO: Nunca esqueceremos

Enchentes no RS: sobe para 155 o número de mortos; 94 pessoas seguem desaparecidas

Mais na Exame