Brasil

Laboratório indiano faz acordo para entregar vacina ao SUS e rede privada

O Bharat Biotech disse que o fornecimento a clínicas privadas de vacinação no Brasil podem ocorrer após aprovação do imunizante pela Anvisa

Bharat Biotech; vacina Covaxin. (Rafael Henrique/SOPA Images/Getty Images)

Bharat Biotech; vacina Covaxin. (Rafael Henrique/SOPA Images/Getty Images)

R

Reuters

Publicado em 12 de janeiro de 2021 às 14h28.

Última atualização em 28 de janeiro de 2021 às 09h15.

 A indiana Bharat Biotech anunciou nesta terça-feira que assinou acordo de fornecimento de sua vacina contra covid-19 Covaxin para a empresa brasileira Precisa Medicamentos e que a prioridade será dada ao setor público, por meio de acordo com o governo brasileiro.

A companhia disse ainda que o fornecimento a clínicas privadas de vacinação no Brasil podem ocorrer após aprovação do imunizante pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

"O nosso objetivo para todas as vacinas desenvolvidas na Bharat Biotech é proporcionar o acesso global às populações que mais necessitam delas. A Covaxin gerou excelentes dados de segurança com respostas imunológicas robustas a múltiplas proteínas virais. Estamos satisfeitos ao verificar que as vacinas da Índia são capazes de responder às necessidades da saúde pública do Brasil", disse o presidente e diretor-geral da Bharat Biotech, dr. Krishna Ella, segundo comunicado da empresa.

Representantes da Precisa Medicamentos estiveram nas instalações da Bharat na semana passada e se reuniram com representantes da companhia, de acordo com o comunicado. Na reunião, o embaixador brasileiro na Índia, André Aranha Corrêa do Lago, participou virtualmente e manifestou interesse do governo brasileiro em adquirir a vacina, segundo a companhia indiana.

A Covaxin é uma vacina aplicada em duas doses que está passando por testes clínicos de Fase 3 na Índia com cerca de 26 mil voluntários desde meados de novembro. A candidata a vacina, que já recebeu autorização para uso emergencial na Índia, usa a tecnologia de vírus inativado e, de acordo com a Bharat, apresentou "resultados promissores de segurança e resposta imunológica, que receberam aceitação por revistas científicas internacionais" no estudo clínico de Fases 1 e 2.

Na semana passada, a Associação Brasileira das Clínicas de Vacinas (ABCVAC) enviou uma delegação à Índia para negociar a possível compra de doses da Covaxin para serem comercializadas por clínicas privadas.

Em uma transmissão em uma rede social, também na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro disse que o governo federal não vai "criar problema" para clínicas privadas comprarem doses de vacinas contra a Covid-19.

Procurada por EXAME, a ABCVAC disse que confirmou a possibilidade da rede privada comprar a vacina do laboratório indiano, assim que obtiver o registro junto à Anvisa.

O presidente da entidade, Geraldo Barbosa, descartou a possibilidade de competição com o governo brasileiro. “Se essas vacinas não vierem para o mercado privado brasileiro, não virão nem para o Brasil. Vão para outro país”, diz.

Acompanhe tudo sobre:AnvisaCoronavírusEmpresas indianasÍndiaPandemiaSetor farmacêuticoSUSvacina contra coronavírusVacinas

Mais de Brasil

Quando vai ter greve do Metrô de SP? Sindicato promete paralisação na próxima semana

Sobe para 151 número de mortos devido às fortes chuvas no RS; veja serviços parados

TSE inicia julgamento que pode levar à cassação de Moro

MP do Auxílio Reconstrução do Rio Grande do Sul entra em vigor

Mais na Exame