Brasil

Greve retém 17,3 mil automóveis importados nos portos, diz CNC

Estimativas da Confederação é que as paralisações possam reduzir atividade em até 5%

Mais de 17 mil automóveis estão parados nos portos aguardando liberação aduaneira segundo a CNC (Burak Karademir/Getty Images)

Mais de 17 mil automóveis estão parados nos portos aguardando liberação aduaneira segundo a CNC (Burak Karademir/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 31 de maio de 2024 às 18h14.

Última atualização em 31 de maio de 2024 às 18h24.

Paralisações de servidores grevistas já retêm 17,3 mil automóveis importados nas aduanas dos portos brasileiros. Os reflexos sobre a cadeia produtiva brasileira podem significar uma redução de até 5% na atividade econômica, afirma a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

A paralisação dos servidores do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) estaria atrasando a liberação de milhares de contêineres nos portos do país, afetando tanto o comércio quanto a indústria automotiva, diz a CNC, em nota à imprensa.

A entidade divulgou um estudo calculando o impacto do impasse sobre a economia, considerando como base uma média de importação de 13,8 mil carros por mês entre 2020 e 2023 para traçar estimativas de efeitos diretos, indiretos e induzidos da greve.

"Atualmente, mais de 17 mil automóveis estão parados nos portos aguardando liberação aduaneira, o que representa mais de um mês de importações", aponta a CNC.

"O estudo demonstra que, em termos econômicos, para cada 1% de diminuição nos carros efetivamente importados, a atividade econômica cai 0,034%, considerando efeitos diretos, indiretos e induzidos. Os 17 mil automóveis parados nos portos representam 132% da importação mensal, o que pode resultar em uma redução de até 5% na atividade econômica devido à operação tartaruga nos portos brasileiros", completou.

Segundo a CNC, a manutenção da greve nos portos tem potencial de provocar um impacto ainda mais profundo sobre a economia brasileira nos próximos meses, portanto, "o governo federal precisa avaliar, o mais rapidamente, as reivindicações dos grevistas para garantir que todos saiam ganhando após esse momento crítico".

"A paralisação dos servidores do Ibama e do Mapa afeta a oferta de diversos bens importados no território nacional, não apenas veículos, mas nos ativemos ao segmento automotivo nesta primeira etapa do estudo", apontou economista-chefe da CNC, Felipe Tavares, em nota oficial.

A entidade estima que estejam retidos pela paralisação cerca de 1,2 mil contêineres com peças, componentes, carros a combustão e híbridos.

"No total, mais de 17,3 mil veículos aguardam liberação nos portos, impactando diretamente a cadeia de vendas no Brasil", frisou a CNC.

Acompanhe tudo sobre:PortosImportaçõesCarros importados

Mais de Brasil

Governo diz que concessionária seguirá operando Aeroporto Salgado Filho

Caso Marielle: Moraes autoriza inquérito contra irmãos Brazão e Rivaldo por suspeita de obstrução

Chuvas no RS: nível do Guaíba deve atingir cota de inundação nesta quarta-feira, aponta IPH

Mais na Exame