Acompanhe:

Governos não acham que protestos sejam contra a Copa

Esta é a avaliação do prefeito da cidade, Eduardo Paes, e do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, que considera ainda que o movimento está se enfraquecendo

Modo escuro

Continua após a publicidade
Ato no Rio: para Aldo Rebelo, protestos da última quinta tiveram motivações específicas (Fernando Frazão/Agência Brasil)

Ato no Rio: para Aldo Rebelo, protestos da última quinta tiveram motivações específicas (Fernando Frazão/Agência Brasil)

M
Marcio Dolzan

Publicado em 16 de maio de 2014 às, 17h06.

Rio - Os protestos realizados na última quinta-feira no Rio, que reuniram 1,5 mil pessoas de acordo com cálculos da Polícia Militar, não foram contra a Copa do Mundo.

Ao menos esta é a avaliação do prefeito da cidade, Eduardo Paes, e do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, que considera ainda que o movimento está se enfraquecendo.

"Há uma redução no tamanho e no impacto dessas manifestações. Acho que as pessoas, mesmo tendo suas reivindicações, vão se voltando mais ao momento de festa que é a Copa e no Brasil principalmente, onde o futebol, mais do que um esporte, é um elemento da identidade da nossa população", afirmou Aldo Rebelo.

Para o ministro, os protestos da última quinta tiveram motivações específicas, sendo que a Copa do Mundo acabou sendo usada como pano de fundo.

"É difícil de se encontrar uma categoria, de jornalista a professor, que não tenha feito ou tentado fazer uma greve na vida. E a Copa do Mundo é o momento em que essas reivindicações, por parte das lideranças ou das categorias, buscam uma projeção maior", avaliou.

O prefeito Eduardo Paes, que concedeu entrevista coletiva ao lado de Aldo Rebelo, durante encontro sobre a Copa do Mundo realizado no Rio, tem a mesma opinião.

"Nós vivemos ano passado um processo absolutamente característico de um país democrático, que as pessoas podem se manifestar, pressionar as autoridades. O que aconteceu, em minha opinião, é que grupos de interesses específicos encamparam esses grandes movimentos para colocar suas agendas, como se elas tivessem relação. Sempre foi claro pra gente que não tinham", enfatizou.

"Acho que o brasileiro que respeita seu país, que preza pela democracia, pelo direito de manifestar-se, ele continua atento, continua observando, continua cobrando e é bom que seja assim", prosseguiu o prefeito.

"Mas o brasileiro sabe que a Copa do Mundo é uma enorme oportunidade para o nosso país, sabe que essa é uma festa que encanta a todos os brasileiros e não quer que essa grande festa, que tem impactos econômicos importantes para o nosso país, seja transformada num problema para o Brasil".

Últimas Notícias

Ver mais
PF prende dono de sítio suspeito de ajudar fugitivos de presídio de Mossoró
Brasil

PF prende dono de sítio suspeito de ajudar fugitivos de presídio de Mossoró

Há 11 horas

Em primeiro voto no STF, Dino é a favor de vínculo empregatício entre Uber e motoristas
Brasil

Em primeiro voto no STF, Dino é a favor de vínculo empregatício entre Uber e motoristas

Há 12 horas

Mendonça autoriza empresas a renegociarem acordos de leniência fechados na Lava-Jato
Brasil

Mendonça autoriza empresas a renegociarem acordos de leniência fechados na Lava-Jato

Há 14 horas

Projeto de lei quer proibir que motorista de aplicativo cobre passageiro pelo uso do ar-condicionado
Brasil

Projeto de lei quer proibir que motorista de aplicativo cobre passageiro pelo uso do ar-condicionado

Há 15 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais