Governos não acham que protestos sejam contra a Copa

Esta é a avaliação do prefeito da cidade, Eduardo Paes, e do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, que considera ainda que o movimento está se enfraquecendo

Rio - Os protestos realizados na última quinta-feira no Rio, que reuniram 1,5 mil pessoas de acordo com cálculos da Polícia Militar, não foram contra a Copa do Mundo.

Ao menos esta é a avaliação do prefeito da cidade, Eduardo Paes, e do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, que considera ainda que o movimento está se enfraquecendo.

"Há uma redução no tamanho e no impacto dessas manifestações. Acho que as pessoas, mesmo tendo suas reivindicações, vão se voltando mais ao momento de festa que é a Copa e no Brasil principalmente, onde o futebol, mais do que um esporte, é um elemento da identidade da nossa população", afirmou Aldo Rebelo.

Para o ministro, os protestos da última quinta tiveram motivações específicas, sendo que a Copa do Mundo acabou sendo usada como pano de fundo.

"É difícil de se encontrar uma categoria, de jornalista a professor, que não tenha feito ou tentado fazer uma greve na vida. E a Copa do Mundo é o momento em que essas reivindicações, por parte das lideranças ou das categorias, buscam uma projeção maior", avaliou.

O prefeito Eduardo Paes, que concedeu entrevista coletiva ao lado de Aldo Rebelo, durante encontro sobre a Copa do Mundo realizado no Rio, tem a mesma opinião.

"Nós vivemos ano passado um processo absolutamente característico de um país democrático, que as pessoas podem se manifestar, pressionar as autoridades. O que aconteceu, em minha opinião, é que grupos de interesses específicos encamparam esses grandes movimentos para colocar suas agendas, como se elas tivessem relação. Sempre foi claro pra gente que não tinham", enfatizou.

"Acho que o brasileiro que respeita seu país, que preza pela democracia, pelo direito de manifestar-se, ele continua atento, continua observando, continua cobrando e é bom que seja assim", prosseguiu o prefeito.

"Mas o brasileiro sabe que a Copa do Mundo é uma enorme oportunidade para o nosso país, sabe que essa é uma festa que encanta a todos os brasileiros e não quer que essa grande festa, que tem impactos econômicos importantes para o nosso país, seja transformada num problema para o Brasil".

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.