Brasil

Governo vai exonerar funcionários com ideias "comunistas"

Segundo Onyx Lorenzoni, a ideia se apoia no fato de que, nas eleições de outubro, "a sociedade disse basta às ideias socialistas e comunistas"

Onyx: governo Bolsonaro exonerará os funcionários que defendam ideias "comunistas", disse o ministro (Valter Campanato/Agência Brasil)

Onyx: governo Bolsonaro exonerará os funcionários que defendam ideias "comunistas", disse o ministro (Valter Campanato/Agência Brasil)

E

EFE

Publicado em 3 de janeiro de 2019 às 17h22.

Última atualização em 3 de janeiro de 2019 às 17h37.

Brasília - O governo Jair Bolsonaro fará uma revisão de toda a estrutura da administração pública e exonerará os funcionários que defendam ideias "comunistas", informou nesta quinta-feira o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

A decisão foi anunciada na primeira reunião de Bolsonaro com os 22 ministros, que teve duração de três horas. Segundo Lorenzoni, a ideia se apoia no fato de que, nas eleições de outubro, "a sociedade disse basta às ideias socialistas e comunistas que nos últimos 30 anos nos levaram ao caos atual".

Segundo Lorenzoni, que anunciou hoje a exoneração de mais de 300 servidores comissionados ligados a sua pasta, "não faz sentido ter funcionários de orientações ideológicas antagônicas".

O ministro explicou que esse assunto foi tratado na reunião que Bolsonaro teve com os ministros e que será aplicado em todos os setores da administração pública.

Lorenzoni apontou que os "critérios" para decidir a situação dos funcionários também serão "técnicos" e que serão levados em conta na hora de definir se os cargos serão assumidos novamente ou se serão extintos.

Na reunião, a primeira que o militar da reserva do Exército e ex-deputado federal realizou com todos os ministros, também ficou decidido que cada pasta fará um inventário dos imóveis de sua propriedade, a fim de iniciar a venda daqueles que não são necessários.

"Queremos racionalizar e permitir a venda destes imóveis. As primeiras informações são gigantescas, a União teria cerca de 700 mil imóveis", declarou o ministro.

Lorenzoni acrescentou que o novo governo já identificou que há ministérios que, apesar de contarem com prédios próprios, "alugam outros espaços, o que não tem nenhum sentido" e inflaciona o gasto público, que Bolsonaro está decidido a reduzir.

O novo ministro reiterou que todas essas decisões serão tomadas com critérios "absolutamente técnicos", que foram os que Bolsonaro ofereceu aos brasileiros em sua campanha eleitoral.

"Como diz o capitão, estamos para aqui servir à sociedade, e não às ideologias", afirmou.

Acompanhe tudo sobre:Governo BolsonaroOnyx Lorenzoni

Mais de Brasil

Quero ser responsável pela vitória dele, diz Lula no lançamento da candidatura de Boulos em SP

Com esquerda em peso e até bolsonarista, PSD oficializa candidatura de Paes sem definir vice

Vamos colocar a periferia em primeiro lugar, diz Boulos ao oficializar candidatura ao lado de Lula

Fuad e Kassab apostam em discurso moderado e feitos da gestão para reeleição em prefeitura BH

Mais na Exame