Acompanhe:

Governo tentou esconder epidemia de meningite em 1974

Debate sobre a falta de transparência nos números de coronavírus remete a outra epidemia que parou o Brasil, durante a ditadura militar

Modo escuro

Continua após a publicidade
Geisel: durante seu governo, epidemia de meningite se espalhou pelo Brasil (Getty Images/Getty Images)

Geisel: durante seu governo, epidemia de meningite se espalhou pelo Brasil (Getty Images/Getty Images)

R
Redação EXAME

Publicado em 8 de junho de 2020 às, 14h59.

Última atualização em 8 de junho de 2020 às, 19h21.

O debate nacional sobre a transparência na divulgação de dados do coronavírus relembra outro momento pouco nobre da história estatística nacional. Desde sábado estão circulando nas redes sociais informações sobre a epidemia de meningite que se alastrou pelo país nos anos 1970 e que a ditadura de Emílio Médici e Ernesto Geisel tentou esconder.

A meningite é o processo inflamatório das meninges, as membranas que envolvem o cérebro e a medula. Pode ser causada por vírus ou bactéria e afeta sobretudo crianças. Entre os sintomas principais estão dor de cabeça, febre e rigidez na nuca.

O surto de meningites tipos A e C durou de 1971 a 1975, e teve números muito mais modestos do que os atuais da covid-19. Matou, em 1975, 411 pessoas — ou menos de 1,5 por dia. Ainda assim, o avanço foi consistente — o número de casos registrados em janeiro de 1975 foi seis vezes maior que em janeiro de 1974, segundo dados do Conselho Regional de Medicina de São Paulo. No auge, o número de contagiados chegou a 200 por 100.000 habitantes — o Brasil teve até hoje 345 casos de coronavírus por 100.000 habitantes, como comparação. Epicentro da doença, São Paulo chegou a ter 40.000 casos em 1974.

Os números, e a velocidade de expansão da doença, demoravam a vir à tona por falta de transparência do governo e por censuras a reportagens. Em outubro de 1972, a revista Veja fez uma reportagem de capa sobre a meningite, com a chamada O surto da desinformação. Na Folha, uma reportagem com o título A Epemida do Silêncio, foi censurada. Em 2020, a imprensa tem tido mais uma vez papel primordial na divulgação de informações sobre a pandemia do coronavírus.

Nesta segunda-feira, um consórcio formado por Globo, Extra, G1, Estadão, Folha e Uol vai começar a divulgar números de casos e mortes por coronavírus coletados diretamente nas secretarias estaduais de saúde. Ontem, após anunciar restrições nas informações sobre a covid-19, o governo divulgou dois números contraditórios sobre a doença — primeiro de 1.382 mortos e, depois, de 525.

Assim como acontece com o coronavírus, as regiões mais pobres da capital paulista foram as mais afetadas pela meningite — a cidade já tinha, na época, mais de 500 favelas. E, assim como acontece agora, havia um desconhecimento sobre que tratamento era o mais efetivo. Os americanos começaram em 1971 a testar vacinas em militares no Vietnã. Também relembrando tempos atuais, o governo criticou jornais por reportagens e negou a gravidade da pandemia.

Reportagem da BBC Brasil de março relembra que o Brasil já havia tido dois surtos de meningite, em 1923 e em 1945. E que, depois de negar a existência da emergência de Saúde, o governo suspendeu aulas e eventos esportivos em 1975 e até cancelou a realização dos Jogos Pan-Americanos previstos para São Paulo — os jogos foram para a Cidade do México.

Também em 1975 o governo montou às pressas um plano de vacinar 10 milhões de pessoas em quatro dias, em abril. Cerca de 93% da população da cidade de São Paulo foi vacinada, segundo o IBGE. Com a campanha, o número de casos começou a cair e voltou ao normal dois anos depois, em 1977.

Últimas Notícias

Ver mais
Lula reforça pedido de cessar-fogo na Faixa de Gaza em reunião com primeiro-ministro palestino
Brasil

Lula reforça pedido de cessar-fogo na Faixa de Gaza em reunião com primeiro-ministro palestino

Há 4 horas

Quem são os fugitivos de Mossororó? Veja o histórico dos presos que escaparam da prisão federal
Brasil

Quem são os fugitivos de Mossororó? Veja o histórico dos presos que escaparam da prisão federal

Há 6 horas

Fugitivos de presídio federal em Mossoró fizeram família refém na noite de sexta
Brasil

Fugitivos de presídio federal em Mossoró fizeram família refém na noite de sexta

Há 8 horas

Novos indícios apontam que fuga inédita de presos em Mossoró teve ação planejada com antecedência
Brasil

Novos indícios apontam que fuga inédita de presos em Mossoró teve ação planejada com antecedência

Há 9 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais