Acompanhe:

Governo de São Paulo e prefeitura fazem operação na Cracolândia

Polícia Militar ainda não deu informações sobre número de prisões ou de feridos. O prefeito João Dória disse que não houve violência

Modo escuro

Continua após a publicidade
Polícia faz operação na Cracolândia em 21/05/2017 (Paulo Whitaker/Reuters)

Polícia faz operação na Cracolândia em 21/05/2017 (Paulo Whitaker/Reuters)

A
Agência Brasil

Publicado em 21 de maio de 2017 às, 11h38.

Última atualização em 21 de maio de 2017 às, 15h36.

A prefeitura paulistana e o governo do estado deflagraram hoje (21) uma grande operação policial na região da Cracolândia para combater o tráfico de drogas. A Polícia Militar e a Secretaria de Segurança Pública ainda não deram informações sobre número de prisões, de feridos e como transcorreu a ação. Um balanço da operação deve ser divulgado mais tarde.

O prefeito João Dória visitou a região na manhã de hoje e disse que não houve vítimas durante a operação. A ação, afirmou Doria, faz parte do projeto Redenção. "[A operação] foi feita com muita eficiência, sem vítimas, sem violência. No âmbito medicinal e urbanístico, as ações começam agora - as internações dos que são psicodependentes, o atendimento da população em situação de rua que não é psicodependente e a reurbanização da área", afirmou.

Doria disse também, em entrevista, que o projeto De Braços Abertos, da prefeitura anterior, foi finalizado. "Não haverá mais pensão, hotel, nenhum tipo de acomodação desse tipo, como existia anteriormente. Toda a área será reurbanizada, os hotéis serão fechados e a área passará por amplo projeto de reurbanização".

Segundo o movimento Craco Resiste, a operação começou por volta das 4h, com forte presença de policiais. Integrantes do movimento disseram à reportagem que a polícia chegou jogando bombas.

"De repente, tinha 300 ou 400 policiais do GOE [Grupo de Operações Especiais da Polícia Civil], jogando bomba e dizendo que era para acabar com o tráfico, mas aqui tem é um monte de aviãozinho [um intermediário, uma pessoa que busca e entrega droga ao cliente]. Não tem tráfico nenhum aqui. De repente, não tem mais ninguém na Cracolândia, disse Raphael Escobar à Agência Brasil. "O Doria [João Doria, prefeito de São Paulo] está querendo acabar com a Cracolândia, limpar a Cracolândia. Mas ninguém sabe o que ele fará com as pessoas daqui", acrescentou.

O projeto De Braços Abertos (DBA) funcionou durante a gestão do prefeito Fernando Haddad, com foco na redução de danos. Além dele, há também na região o programa estadual Recomeço, que busca dependentes nas ruas a fim de levá-los para tratamento e reabilitá-los para o trabalho. Em casos extremos, são usadas internações involuntárias e compulsórias.

O projeto Redenção, da gestão Doria, pretende erradicar o tráfico de drogas em oito regiões da cidade conhecidas como Cracolândia. O projeto prevê ações em cinco campos: policial, social, medicinal, urbanística e de zeladoria urbana. As iniciativas, segundo a prefeitura, vão envolver grupos de trabalho que serão coordenados por quatro frentes: governo municipal, governo estadual, governo federal e sociedade civil organizada.

Últimas Notícias

Ver mais
Com investimento de R$ 230 milhões, primeiro outlet na Imigrantes é inaugurado em São Bernardo
seloNegócios

Com investimento de R$ 230 milhões, primeiro outlet na Imigrantes é inaugurado em São Bernardo

Há um dia

Justiça de SP determina que Enel reduza suspensões de energia e atenda consumidores com rapidez
Brasil

Justiça de SP determina que Enel reduza suspensões de energia e atenda consumidores com rapidez

Há um dia

Pedágio Free Flow em rodovias no litoral de SP: saiba como vai funcionar
Brasil

Pedágio Free Flow em rodovias no litoral de SP: saiba como vai funcionar

Há um dia

Três lugares para aproveitar um brunch no Itaim Bibi
Casual

Três lugares para aproveitar um brunch no Itaim Bibi

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais