Brasil

Foz do Amazonas: presidente do Ibama descarta acordo para exploração de petróleo

Rodrigo Agostinho participa de reunião no Palácio do Planalto com o ministro da Casa Civil, Rui Costa, e representantes do MMA, MME e Petrobras

Foto foi tirada de uma janela do veículo SpaceX Crew Dragon enquanto a Estação Espacial Internacional orbitava sobre o Oceano Atlântico próximo à costa do Brasil perto da foz do Rio Amazonas (Nasa/Divulgação)

Foto foi tirada de uma janela do veículo SpaceX Crew Dragon enquanto a Estação Espacial Internacional orbitava sobre o Oceano Atlântico próximo à costa do Brasil perto da foz do Rio Amazonas (Nasa/Divulgação)

Izael Pereira
Izael Pereira

Reporter colaborador, em Brasília

Publicado em 23 de maio de 2023 às 18h34.

Última atualização em 23 de maio de 2023 às 18h45.

O presidente do Ibama, Rodrigo Agostinho, afirmou nesta terça-feira, 23, que não vê possibilidade de que haja acordo para a liberação para que a Petrobras explore petróleo na foz da bacia do Amazonas, na chamada Margem Equatorial.

Segundo Agostinho, ao longo da história mais 100 poços de petróleo foram perfurados na região, “e nunca demonstraram viabilidade". "Hoje a legislação é um pouco diferente, nós temos uma série de requisitos e garantias que precisam ser asseguradas e não cabe negociação nesse momento, mas nada impede que a Petrobras possa reapresentar o pedido, vai ser analisado e onde vai se debruçar tecnicamente. O Ibama sempre usa a ciência como ponto para nortear as suas decisões”, disse. "Não cabe negociação neste momento."

Ele deu a declaração ao chegar ao Palácio do Planalto para reunião com o ministro da Casa Civil, Rui Costa, e representantes do Ministério do Meio Ambiente, de Minas e Energia e da Petrobras.

LEIA MAIS: Audiência pública discutirá exploração de petróleo na Foz do Amazonas

O Ibama negou o licenciamento para perfuração no campo, que pode render cerca de 14 bilhões de barris. O documento técnico apontou que o plano da Petrobras para a área não apresenta garantias para atendimentos à fauna em possíveis acidentes com o derramamento de óleo.

Outro ponto destacado seriam as lacunas quanto à previsão de impactos da atividade em três terras indígenas em Oiapoque.

Por que o Ibama negou a exploração de petróleo na Foz do Amazonas?

Ainda de acordo com o presidente da instituição, o Ibama pediu por oito vezes complementações nos estudos e essas complementações não foram suficientes para comprovar a viabilidade do projeto. “A Petrobras pode a qualquer momento fazer uma nova solicitação de licença", afirmou o presidente do Ibama.

"Não estamos fechando portas, mas vamos continuar debruçados tecnicamente e as respostas serão técnicas no âmbito do processo", acrescentou Agostinho.

Ainda de acordo com ele, o órgão não foi pressionado em nenhum momento pelo governo e não teve interferência de nenhum ministério, "nem do Ministério do Meio Ambiente". A ministra da pasta, Marina Silva, é uma das maiores opositoras do projeto.

Questionado se não deveria ter conversado com o presidente Lula, que estava em Hiroshima, no Japão, antes de tomar uma decisão sobre o projeto por se tratar de um tema sensível, Agostinho disse que emite 3.000 licenças por ano.

"Não tenho como ficar em cada licença chamando todas as partes, buscando uma composição porque não cabe composição e as decisões são técnicas. Muitas vezes a gente vai tomar decisões que vão agradar um grupo de pessoas, vai desagradar um outro grupo”, ressaltou

"É uma região muito sensível, muito distante. As correntes marinhas, por estarem próximas à linha do equador, são muito fortes", disse. "As equipes técnicas, desde 2014, estão debruçadas sobre o tema e não encontraram viabilidade ambiental. Hoje vamos apenas esclarecer os pontos relacionados ao licenciamento."

Acompanhe tudo sobre:IbamaPetrobrasMeio ambienteMarina SilvaLuiz Inácio Lula da Silva

Mais de Brasil

Manifestantes voltam à Avenida Paulista para ato contra o PL do Aborto

Greve nas universidades federais: o que reivindicam os professores e quais são as ofertas do governo

Enel confirma a Lula investimento de R$ 20 bi para acabar com apagões

Enchentes paralisaram 63% das indústrias gaúchas, revela pesquisa

Mais na Exame