Acompanhe:

Financial Times: Eleição no Brasil é a mais incerta desde redemocratização

De acordo com o jornal, os dois primeiros colocados dificilmente farão "o que é necessário" em termos das reformas, consideradas imprescindíveis

Modo escuro

Continua após a publicidade
Urna: o "FT" salienta que o Brasil já foi uma economia emergente de alto nível e um dos integrantes dos Brics (José Cruz/Agência Brasil)

Urna: o "FT" salienta que o Brasil já foi uma economia emergente de alto nível e um dos integrantes dos Brics (José Cruz/Agência Brasil)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 1 de outubro de 2018 às, 15h23.

Última atualização em 1 de outubro de 2018 às, 15h25.

Londres - O jornal britânico de economia "Financial Times" trouxe nesta segunda-feira, dia 1º, uma reportagem sobre o que estaria preocupando os brasileiros. De acordo com economistas consultados pela publicação, os dois primeiros colocados nesta eleição dificilmente farão "o que é necessário" em termos das reformas, consideradas imprescindíveis para o país.

"Em menos de uma semana, o Brasil terá as eleições presidenciais mais incertas desde seu retorno à democracia em 1985. Em uma nação que se dividiu em proporções drásticas, pesquisas de opinião sugerem que a eleição chegará a um impasse no segundo turno entre os duas visões distintas", trouxe a reportagem, citando que, de um lado, está Jair Bolsonaro (PSL), da extrema direita, e, do outro, o esquerdista Fernando Haddad (PT).

O "FT" salienta que o Brasil já foi uma economia emergente de alto nível e um dos integrantes dos Brics (formado também por Rússia, Índia, China e África do Sul).

Mas um escândalo de corrupção centrado na Petrobras, o descontentamento com a classe política, níveis assustadores de violência, uma frágil recuperação após a pior recessão da história moderna do País e o aumento dos gastos públicos afetaram as perspectivas de crescimento e o otimismo de seu povo, na visão do jornal.

"Economistas concordam que o Brasil precisa de reformas, incluindo uma revisão do generoso sistema de pensões, para sustentar o crescimento econômico e tornar sua dívida sustentável. Mas muitos duvidam que qualquer um dos candidatos faria o que é necessário", pontuou a publicação.

Cerca de 85% dos brasileiros, conforme o texto, acham que o País está indo na direção errada - a maior proporção nas 27 maiores economias pesquisadas pela Ipsos Mori.

O "Financial Times" apresentou, então, uma lista dos motivos que estariam afetando o Brasil:

Brasil foi pego pela corrupção

O País foi engolido pelo escândalo de corrupção da Operação Lava Jato, que provocou a ira contra o establishment. No Brasil, as percepções de corrupção pioraram mais do que em outros países da América Latina, segundo a Transparency International.

O Brasil está no último lugar dos 137 rastreados pelo Fórum Econômico Mundial no quesito confiança em políticos. Entre as críticas estão a percepção do uso ilícito de recursos públicos, a eficiência dos gastos do governo, a transparência da formulação de políticas públicas e o custo comercial do crime e da violência.

"Isso está abaixo de qualquer outro país vizinho, exceto a Venezuela, que é um Estado falido", comparou.

Homicídio está em ascensão

Bolsonaro se posicionou como o candidato da "lei e ordem" perante uma população que está farta de crime e violência: o número de homicídios aumentou quase 10%, para quase 64 mil em 2017. Esse é o maior número desde que os registros começaram em 2008, segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

"Suas visões ultraconservadoras sobre o controle do crime lembram outra linha-dura do presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte", disse Robert Muggah, diretor do Instituto Igarapé, um centro de estudos de segurança no Rio de Janeiro. "A primeira prioridade de Bolsonaro é ampliar as abordagens repressivas ao combate ao crime."

O progresso econômico e social parou

Ajudado por um boom de commodities, associado a políticas redistributivas, o progresso econômico e social do Brasil entre 2003 e 2014 tirou 29 milhões de pessoas da pobreza e viu a desigualdade cair significativamente, de acordo com o Banco Mundial. Mas a taxa de redução da pobreza e desigualdade estagnou desde 2015.

A economia perdeu cerca de 10% de sua produção entre o terceiro trimestre de 2013 e o segundo trimestre de 2017. A maior economia da América Latina continua a se recuperar de sua pior recessão de todos os tempos.

Mais de 6 milhões de pessoas ficaram desempregadas no Brasil nos quatro anos até julho

No ano passado, cerca de 12% da força de trabalho estava desempregada - essa é a taxa mais alta em mais de 30 anos, segundo o monitor fiscal do Fundo Monetário Internacional (FMI).

O número de pessoas que procuram um emprego está em declínio, mas ainda oscila em torno de 12% por mês.

O desmatamento está em ascensão

O Brasil, lar do maior pedaço da floresta amazônica, fez grandes progressos na redução do desmatamento até 2012. Naquele ano, cerca de 23 mil quilômetros quadrados de floresta foram cortados em comparação a oito anos atrás.

Essa tendência se inverteu. Ambientalistas temem que o desmatamento possa aumentar mais rapidamente se Bolsonaro vencer a eleição. Ele ameaçou retirar-se do acordo climático de Paris em um eco do presidente dos EUA, Donald Trump.

O déficit fiscal do Brasil é preocupante

O saldo fiscal do Brasil deteriorou-se dramaticamente nos últimos cinco anos. O déficit fiscal subiu de 2% do PIB em 2012 para 10% em 2015. Espera-se que este ano fique em torno de 8% - quase 3% acima da média da América Latina. O próximo presidente enfrentará uma carga fiscal que provavelmente definirá seu mandato.

Queda nas receitas e crescimento das despesas

A crise econômica do Brasil significou uma queda nas receitas do governo, enquanto os gastos continuaram a aumentar. As transferências sociais através do bem-estar aumentaram os gastos, mas "apenas alguns deles atingem os pobres", escreveu a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) em seu último relatório. "A reforma da 'inchada' Previdência do Brasil está atrasada", disse Angela Bouzanis, da Focus Economics.

O Brasil gasta cerca de 12% do seu Produto Interno Bruto (PIB) em pensões

Peru, México e Chile têm uma parcela similar de suas populações com 65 anos ou mais, mas gastam apenas cerca de 2% do seu PIB com Previdência. "Sem reforma, as despesas previdenciárias mais que dobrarão", alerta a OCDE. Com 82% dos gastos com esses benefícios indo para os 60% mais ricos, a falta de reformas significará crescentes desequilíbrios e desigualdade.

Cassiana Fernandez, uma economista do JPMorgan, disse: "Sem a aprovação da reforma previdenciária no próximo ano, acreditamos que o risco de uma crise financeira no Brasil aumentará substancialmente".

Últimas Notícias

Ver mais
Haddad fala em parceria estratégica entre Brasil e Estados Unidos
Economia

Haddad fala em parceria estratégica entre Brasil e Estados Unidos

Há 3 horas

Comissão do Congresso aprova MP de Haddad que trava compensações tributárias
Economia

Comissão do Congresso aprova MP de Haddad que trava compensações tributárias

Há 6 horas

Haddad afirma que FMI terá de ‘rever para melhor’ projeção de crescimento do Brasil
Brasil

Haddad afirma que FMI terá de ‘rever para melhor’ projeção de crescimento do Brasil

Há 6 horas

Haddad diz que equipe mira retomar patamar de arrecadação em relação ao PIB para 18,5%
Economia

Haddad diz que equipe mira retomar patamar de arrecadação em relação ao PIB para 18,5%

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais