Brasil

Falha no sistema de portas levou à paralisação do Metrô

Centenas de pessoas que ficaram trancadas dentro dos trens

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2010 às 03h47.

São Paulo - Uma falha no sistema de portas levou à paralisação por mais de duas horas, em pleno horário de pico da manhã, das 18 estações da Linha 3 - Vermelha do Metrô de São Paulo, prejudicando diretamente 250 mil pessoas e levando o caos à zona leste.

Centenas de pessoas que ficaram trancadas dentro dos trens, no escuro e sem ar-condicionado, acionaram o botão para abertura das portas e caminharam sobre os trilhos. Houve quebra-quebra e 18 trens foram danificados.

Os problemas tiveram início às 7h50. A composição 309, que vinha no sentido da zona leste para o centro, apresentou falha no sistema de sinalização de portas, antes de chegar à Sé. O painel dentro da cabine indicou ao operador que havia portas abertas ou não travadas. Por isso, o trem parou para a checagem.

O diretor de Operações do Metrô, Conrado Grava de Sousa, informou que uma blusa impediu o fechamento das portas. "Um empregado se dirigiu rapidamente para a região do trem. E observou numa porta do último carro que existia um objeto na porta", ressaltou.

A versão da blusa, no entanto, apresenta lacunas. A companhia não informou como o trem deixou a estação anterior, se havia algo travando as portas, e por que o sistema de sinalização só apontou esse obstáculo quando a composição estava em movimento.

"Em tese, uma composição não pode partir de porta aberta nem circular e a porta abrir. Uma falha pode levar a uma situação dessas", disse o presidente da Associação dos Engenheiros e Arquitetos do Metrô de São Paulo (Aeamesp), José Geraldo Baião. Ele afirma que a companhia está levantando detalhes na base de dados que dispõe para identificar o que provocou o incidente, classificado como "gravíssimo", mas não é possível ainda apontar uma provável causa.

Os passageiros relatam que a composição ficou parada por cerca de 30 minutos. Após esse tempo, o chamado botão "soco" para a abertura das portas foi acionado. Usuários desceram dos vagões, tomando conta dos trilhos. O Centro de Controle Operacional (CCO) cortou a energia elétrica, para evitar acidentes na linha. Por outro lado, provocou um efeito em cascata.

O trem 61, que vinha atrás, também ficou parado e os passageiros trancados. Trata-se de uma das novas composições da Linha 3, que tem sistema de ar-condicionado e por isso não há janelas. Sem energia elétrica, o sistema desligou e cortou a ventilação dos usuários - que já vinham espremidos, por se tratar de um horário de pico.

Estima-se que a falta de circulação de ar nos vagões provocou desconforto. Por isso, os passageiros também acionaram o botão de emergência. Foi retirada então a energia elétrica de toda a linha e 17 trens ficaram parados. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia mais notícias relacionadas à infraestrutura

Siga as notícias do site EXAME sobre Economia no Twitter

Acompanhe tudo sobre:cidades-brasileirasEmpresasEmpresas estataisEstatais brasileirasInfraestruturaMetrô de São PauloMetrópoles globaismobilidade-urbanaPrejuízosao-pauloTransporte públicotransportes-no-brasil

Mais de Brasil

Base de Canoas passará a ter dez voos por dia, anuncia governo

Paraná Pesquisas: em SP, Nunes tem 28,1%; Boulos, 24,2%; Datena, 12,1%; e Tabata, 9,1%

O que abre e o que fecha em SP no feriado de Corpus Christi

Mais na Exame