A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Empreiteiro conta acerto de caixa 2 com Mercadante e Aloysio

Pessoa admitiu ter acertado com Aloysio Nunes doação para a campanha no valor de R$ 500 mil, sendo R$ 300 mil por repasses oficiais e R$ 200 mil em dinheiro

Brasília - Em delação premiada, o dono da UTC, Ricardo Pessoa, relatou uma reunião com o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, na qual foram acertadas doações para a campanha do então candidato ao governo paulista em 2010.

Pessoa também relatou ter acertado com o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) doação para a campanha ao Senado daquele ano no valor de R$ 500 mil, sendo R$ 300 mil feitos por repasses oficiais e R$ 200 mil em dinheiro.

Segundo o empreiteiro, o atual ministro presenciou um acerto com o então coordenador da campanha petista e hoje presidente do diretório estadual do PT, Emidio de Souza, no qual ficou acordado que R$ 250 mil seriam repassados em doação oficial à campanha e outros R$ 250 mil seriam dados em espécie, tendo saído do caixa 2 da empreiteira.

Também estava presente o presidente da Constran - que foi comprada pela UTC -, João Santana.

Em nota, Mercadante disse desconhecer o teor da delação de Pessoa. O ministro confirmou um único encontro com Pessoa, em sua casa, em São Paulo, por solicitação do empreiteiro, quando era pré-candidato ao governo do Estado.

E confirmou estar acompanhado por Emidio, mas disse que não houve "qualquer discussão de valores, tampouco solicitação de recursos de caixa 2 por parte do coordenador de campanha".

Por telefone, Emidio de Souza classificou como "completamente estapafúrdia" a afirmação de Pessoa. "A contribuição de campanha foi feita de forma oficial e está declarada na Justiça Eleitoral."

Senador. Sobre o tucano, Pessoa disse que o encontro para acertar o pagamento foi no escritório político do senador, na Avenida 9 de Julho, em São Paulo. Segundo ele, também estava na reunião João Santana, da Constran.

Pessoa disse não se recordar sobre como foi a entrega dos valores, "sabendo apenas que o dinheiro utilizado é proveniente do caixa 2 da UTC e que teve participação do escritório de advocacia de Roberto Trombeta".

Por meio de assessoria, Aloysio Nunes nega o recebimento de dinheiro de caixa 2 e diz que procurou apenas o presidente da Constran, João Santana, para solicitações de doação "nos termos da lei eleitoral".

Os pedidos de investigação feitos pela Procuradoria-Geral da República sobre o tucano e o ministro estão apartados das apurações da Operação Lava Jato.

O entendimento dos procuradores é de que a investigação recai sobre uso de dinheiro de caixa 2, com suposta prática de crime eleitoral, sem relação com os contratos da Petrobrás.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também