Acompanhe:

Em evento com Flávio Rocha, Doria defende aliança de centro

Visando apoio do PRB em torno da pré-candidatura de Geraldo Alckmin ao Palácio do Planalto, Doria participou de evento com Flávio Rocha

Modo escuro

Continua após a publicidade
João Doria: "O que de pior pode haver para o Brasil é a pulverização, aí estaremos sob o risco de termos no futuro um presidente da extrema esquerda ou da extrema direita" (Adriano Machado/Reuters)

João Doria: "O que de pior pode haver para o Brasil é a pulverização, aí estaremos sob o risco de termos no futuro um presidente da extrema esquerda ou da extrema direita" (Adriano Machado/Reuters)

D
Daniel Weterman, do Estadão Conteúdo

Publicado em 30 de maio de 2018 às, 19h33.

São Paulo - O ex-prefeito João Doria, pré-candidato do PSDB ao governo de São Paulo, se manifestou em favor de uma união do centro na eleição presidencial de 2018.

Visando apoio do PRB em torno da pré-candidatura de Geraldo Alckmin ao Palácio do Planalto, Doria participou de evento com Flávio Rocha em São Paulo nesta quarta-feira, 30, e disse ser preciso evitar a pulverização na corrida presidencial.

Em evento na capital paulista para anunciar o apoio do PRB ao PSDB na corrida estadual, Doria pregou a necessidade de PSDB, PRB, MDB, PSD, DEM, PP e PTC se unirem desde já em torno de uma "candidatura convergente" do centro para chegar ao segundo turno das eleições presidenciais.

"O que de pior pode haver para o Brasil é a pulverização, aí estaremos sob o risco de termos no futuro um presidente da extrema esquerda ou da extrema direita", disse Doria, citando que se referia a Ciro Gomes (PDT) e Jair Bolsonaro (PSL).

Ao falar que estará em eventos políticos de Flávio Rocha, o ex-prefeito disse que será um "palanque do Brasil", e não de um ou outro partido. As pré-candidaturas de Alckmin e Rocha, destacou, "não são diferentes, são convergentes."

Além disso, Doria disse que andará ao lado do deputado federal Celso Russomanno (PRB-SP), seu adversário na eleição municipal de 2014, entendendo que ele é um puxador de votos no Estado.

O tucano se negou, porém, a declarar se pretende votar em Alckmin, seu padrinho político e presidenciável do partido, ou em Flávio Rocha, seu amigo de três décadas, como declarou, na eleição presidencial. "Voto é na hora certa. Dia 7 de outubro você saberá."

O presidente nacional do PRB, Marcos Pereira, e o pré-candidato Flávio Rocha também reforçaram a defesa pela união do centro nas eleições, e disseram que o cabeça de chapa deve ser escolhido em julho com base em intenções de voto, popularidade e rejeição.

Negociações

Há duas semanas, Pereira conversou com os presidentes dos partidos de centro que lançaram pré-candidatos defendendo que as legendas estivessem unidas desde já, mas que não houve convergência.

Na avaliação do PRB, mesmo que Alckmin seja o candidato do campo mais bem posicionado nas pesquisas - apesar de ainda patinar nas sondagens - a rejeição do tucano é um ponto negativo, o que abre espaço para nomes como Flávio Rocha. "Propusemos isso, mas acharam melhor não fazer um movimento agora", afirmou o presidente do PRB.

Doria procurou destacar que a aliança em São Paulo não se condiciona ao cenário nacional, apesar de defender a união de candidaturas de centro ao Planalto. No Estado, ele calcula já ter 18 minutos e 41 segundos de propaganda no rádio e na TV por causa dos apoios de PSD, PRB e PTC.

Presente no evento, o ministro da Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab, presidente licenciado do PSD, relativizou a frustração de uma parcela do eleitorado e antigos aliados de Doria com o tucano após ele ter renunciado à Prefeitura para entrar na corrida estadual.

"Evidentemente que em 15 meses não dá para cumprir todos os compromissos, que estão sendo cumpridos por Bruno Covas [atual prefeito] e vão ser realizados até o final do mandato."

O anúncio da aliança entre PSDB e PRB em São Paulo, além do tom político, também teve apelo religioso, já que o partido de Marcos Pereira é ligado a igrejas evangélicas. Flávio Rocha, em seu discurso, disse que se inspirou em João Doria por ser empresário e decidir entrar na política.

"Foi como se Deus tivesse gritado no meu ouvido: levanta dessa cadeira, que você tem uma missão a cumprir", disse o empresário, que emendou em seguida: "Eis-me aqui, João!".

Últimas Notícias

Ver mais
PSDB-SP adia escolha de novo presidente; participação na disputa pela capital está indefinida
Brasil

PSDB-SP adia escolha de novo presidente; participação na disputa pela capital está indefinida

Há 2 dias

Lideranças paulistas do PSDB falam em candidatura própria para prefeitura de SP
Brasil

Lideranças paulistas do PSDB falam em candidatura própria para prefeitura de SP

Há 2 meses

PSDB elege Marconi Perillo como presidente do partido
Brasil

PSDB elege Marconi Perillo como presidente do partido

Há 4 meses

Bancada do PSDB na Câmara defende permanência de Leite após Justiça determinar nova eleição
Brasil

Bancada do PSDB na Câmara defende permanência de Leite após Justiça determinar nova eleição

Há 6 meses

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais