Brasil

Eduardo Bolsonaro e Olavo de Carvalo sugerem tribunal para "julgar Cuba"

Na Cúpula Conservadora das Américas, ambos propuseram um tribunal para julgar supostos "crimes contra a humanidade"

Eduardo Bolsonaro: "Seria um motivo de satisfação para o Brasil, quem sabe, receber esse tribunal para julgá-los", disse (Paola de Orte/Agência Brasil)

Eduardo Bolsonaro: "Seria um motivo de satisfação para o Brasil, quem sabe, receber esse tribunal para julgá-los", disse (Paola de Orte/Agência Brasil)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 8 de dezembro de 2018 às 17h54.

Foz do Iguaçu - O deputado reeleito Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) defendeu neste sábado, 8, que o Brasil deveria sediar um tribunal para julgar a cúpula do regime cubano por supostos "crimes contra a humanidade".

"Seria um motivo de satisfação para o Brasil, quem sabe, receber esse tribunal para julgá-los pelos crimes contra a humanidade cometidos pelo regime cubano", afirmou o parlamentar durante a Cúpula Conservadora das Américas, evento organizado por ele em Foz do Iguaçu.

Eduardo defendeu a realização do julgamento após a fala de Orlando Gutierrez, representante dos exilados cubanos nos Estados Unidos.

Ao encerrar seu discurso inicial, Gutierrez pediu aos presentes que, como homens e mulheres livres, apoiem o pedido para que os líderes do regime sejam julgados por crimes contra a humanidade. Ele afirmou ainda que o comunismo "é a morte porque ele desnaturaliza o ser humano".

"Recentemente, o Eduardo Bolsonaro colocou uma foto em sua página (na internet) e provocou um grande ataque do regime porque eles sabem que a união de homens de boa vontade, homens livres, é o fim desse regime na América Latina", disse Gutierrez.

O filósofo e guru do presidente eleito Jair Bolsonaro, Olavo de Carvalho, também defendeu a criação de um tribunal neste sentido.

"Esses crimes têm que ser julgados, são crimes da maior gravidade. Temos que começar a investigar e punir esses crimes rapidamente", disse.

Eduardo Bolsonaro, Gutierrez e Carvalho participam da primeira mesa temática, sob o tema Cultura, na Cúpula Conservadora das Américas, realizada em Foz do Iguaçu neste sábado. Participam desta mesa também o deputado eleito e membro da família real brasileira, Luiz Philippe de Orleans e Bragança, e Roderick Navarro, integrante do grupo Rumbo Libertad.

Risos

Carvalho participou do evento por meio de uma videoconferência porque mora atualmente nos Estados Unidos. A falta de qualidade da transmissão gerou alguns momentos de risos da plateia.

Ao iniciar a transmissão, Carvalho foi pego de surpresa tentando acender um cachimbo, que foi guardado assim que ele percebeu que estava ao vivo. A plateia riu.

Durante sua fala, Carvalho foi interrompido em alguns momentos para que houvesse a tentativa de melhora da transmissão. Ao voltar para o debate, filósofo apareceu novamente fumando seu cachimbo, o que gerou novas risadas por parte da plateia.

Acompanhe tudo sobre:CubaEduardo BolsonaroGoverno Bolsonaro

Mais de Brasil

Convenções em SP começam neste sábado com indefinições

Artefatos indígenas retidos na França retornam ao Brasil

Convenções começam neste sábado com oficialização de candidaturas de Boulos, Paes e Fuad

Convenção para oficializar chapa Boulos-Marta em SP terá Lula e 7 ministros do governo

Mais na Exame