Brasil

Dívida Pública Federal sobe 0,65% em março, para R$ 6,638 trilhões, diz Tesouro

Correção de juros no estoque da DPF foi de R$ 56,94 bilhões no mês passado

Congresso Nacional visto do Palácio do Planalto (Leonardo Sá/Agência Senado/Flickr)

Congresso Nacional visto do Palácio do Planalto (Leonardo Sá/Agência Senado/Flickr)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 30 de abril de 2024 às 16h23.

Última atualização em 30 de abril de 2024 às 17h28.

Tudo sobreLuiz Inácio Lula da Silva
Saiba mais

O estoque da Dívida Pública Federal (DPF) subiu 0,65% em março e fechou o mês em R$ R$ 6,638 trilhões. Os dados foram divulgados nesta terça-feira, 30, pelo Tesouro Nacional. Em fevereiro, o estoque estava em R$ 6,595 trilhões.

A correção de juros no estoque da DPF foi de R$ 56,94 bilhões no mês passado, enquanto houve um resgate líquido de R$ 13,37 bilhões.

A DPF inclui a dívida interna e externa. A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) subiu 0,67% em março e fechou o mês em R$ R$ 6,361 trilhões. Já a Dívida Pública Federal externa (DPFe) ficou 0,21% maior no mês, somando R$ R$ 276,73 bilhões ao fim de março.

Parcela de títulos

Com o ciclo de queda da taxa básica de juro, atualmente em 10,75% ao ano, a parcela de títulos da Dívida Pública Federal (DPF) atrelados à Selic caiu em março, para 41,77%. Em fevereiro, estava em 42,64%. Já os papéis prefixados ampliaram a fatia de 23,14% para 23,86%.

Os títulos remunerados pela inflação avançaram para 29,95% do estoque da DPF em março, ante 29,77% em fevereiro. Os papéis cambiais oscilaram a participação na DPF de 4,44% para 4,43% no mês passado.

No Plano Anual de Financiamento (PAF) de 2024, os papéis remunerados pela Selic devem ter participação de 40% a 44%. Os títulos prefixados podem variar entre 24% e 28%. Para os papéis corrigidos pela inflação, a participação é de 27% a 31% do estoque. Já os títulos atrelados ao câmbio devem ficar entre 3% e 7%.

O Tesouro informou ainda que parcela da DPF a vencer em 12 meses apresentou baixa, passando de 18,98% em fevereiro para 18,92% em março. O prazo médio da dívida teve avanço de 4,07 anos para 4, 11 anos na mesma comparação. Já o custo médio acumulado em 12 meses da DPF caiu de 10,56% ao ano para 10,40% a.a. no mês passado.

Participação de estrangeiros

A participação dos investidores estrangeiros no total da Dívida Pública subiu em março. De acordo com dados divulgados pelo Tesouro Nacional, a parcela dos investidores não residentes no Brasil no estoque da Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) passou de 9,80% em fevereiro para 10,15% no mês passado.

No fim de 2023, a fatia estava em 9,48%. O estoque de papéis nas mãos dos estrangeiros somou R$ 645,99 bilhões em março, ante R$ 619,03 bilhões em fevereiro.

A maior participação no estoque da DPMFi continuou com as instituições financeiras, com 29,29% em março, ante 28,82% em fevereiro. A parcela dos fundos de investimento passou de 23,30% para 22,87% em março. Na sequência, o grupo Previdência passou de uma participação de 23,36% para 23,29% de um mês para o outro. Já as seguradoras passaram de 4,32% para 3,93% na mesma comparação.

'Colchão da dívida'

O Tesouro Nacional encerrou março com R$ 887,41 bilhões no chamado "colchão da dívida", a reserva de liquidez feita para honrar compromissos com investidores que compram os títulos brasileiros. O valor observado é 0,26% maior em termos nominais que os R$ 885,10 bilhões que estavam na reserva em fevereiro. O montante ainda é 8,85% menor, em termos nominais, que o observado em março de 2023 (R$ 973,56 bilhões).

O valor serve de termômetro para saber se o país tem recursos para pagar seus investidores ou precisará recorrer rapidamente ao mercado para reforçar o caixa. O montante de março era suficiente para cobrir 6,95 meses de pagamentos de títulos, ante 6,52 meses em fevereiro. O Tesouro trabalha com um mínimo prudencial equivalente a uma reserva para três meses de vencimentos.

Acompanhe tudo sobre:Dívida públicaGoverno LulaTesouro Nacional

Mais de Brasil

Recife: famílias são indenizadas em R$ 120 mil por prédios-caixão

Governo Tarcísio assina decreto que autoriza licitação de loteria estadual

Governo do Rio decreta fim da epidemia de dengue

STF mantém decisão que condenou Deltan a indenizar Lula em R$ 75 mil por power point

Mais na Exame