Brasil

Decisão do Supremo vai destravar delações negociadas com a polícia

PF não divulga quantos acordos foram assinados, mas pelo menos duas delações firmadas no âmbito policial aguardavam o fim do julgamento

Decisão do Supremo Tribunal Federal de que delegados de polícia vai destravar alguns acordos já fechados (Adriano Machado/Reuters)

Decisão do Supremo Tribunal Federal de que delegados de polícia vai destravar alguns acordos já fechados (Adriano Machado/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 21 de junho de 2018 às 14h05.

Brasília - A decisão do Supremo Tribunal Federal de que delegados de polícia - tanto da Federal como da Civil - podem fechar acordos de delação premiada - vai destravar alguns acordos já fechados pela corporação e que aguardam homologação da Justiça.

A PF não divulga quantos acordos foram assinados com ela, mas pelo menos duas delações premiadas firmadas no âmbito policial - a de Marcos Valério Fernandes de Souza e a do marqueteiro Duda Mendonça - aguardavam o fim do julgamento, iniciado no ano passado, para serem homologadas ou não pelo STF.

Os casos estão nas mãos, respectivamente, do decano da Corte, Celso de Mello, e do relator da Lava Jato no Supremo, Edson Fachin.

Também aguarda apreciação, mas na segunda instância judicial, a delação do ex-ministro Antonio Palocci, que foi fechada com a PF após o Ministério Público Federal não avançar nas negociações.

No caso de Duda, a decisão permitirá que ele preste depoimento no inquérito que apura o repasse de R$ 10 milhões para o MDB. A investigação foi aberta com base na delação de ex-executivos da Odebrecht.

Chamado para depor, o marqueteiro havia se negado a cooperar com a investigação porque o seu acordo ainda não havia sido homologado pelo ministro Fachin.

O acordo de Duda foi assinado com delegados da Superintendência da PF no Distrito Federal e aguarda homologação há 1 ano e dois meses na mesa do ministro.

No passado, questionado sobre a homologação, Fachin afirmou que só tomaria uma decisão após a votação pelo plenário da Ação Direta de Inconstitucionalidade proposta pela Procuradoria-Geral da República cujo julgamento foi encerrado na quarta-feira, 20.

Fechado com a PF de Curitiba, o acordo do ex-ministro da Fazenda Antônio Palocci aguarda homologação pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4). O acordo do petista foi assinado em abril e aborda sua atuação como intermediário de repasses da Odebrecht para campanhas presidenciais do PT.

Acompanhe tudo sobre:Delação premiadaSupremo Tribunal Federal (STF)

Mais de Brasil

Câmara aprova projeto que cria cadastro nacional de condenados por violência contra a mulher

Comissão da Câmara aprova projeto de lei para incluir animais domésticos no Censo Demográfico

MPF busca solução para liberar 400 estrangeiros retidos no aeroporto de Guarulhos

Lula avaliará situação de Juscelino após viagem, diz Jaques Wagner

Mais na Exame