Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

De Bolsonaro à terceira via: para onde vai a direita nas eleições de 2022

Com Lula consolidado nas pesquisas como principal opção de esquerda, nomes de direita e de centro-direita buscam espaço para ocupar a outra vaga no segundo turno

Líder em todas as pesquisas de intenção de voto recentes, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) aparece como a única opção viável da esquerda para as eleições presidenciais de 2022 até agora. Já a direita está fragmentada. Entre os pré-candidatos, ainda falta um nome ou uma chapa de peso que tenha tração para disputar com o petista. 

Por enquanto, a direita se divide entre um lado mais radical, que conta com apoiadores fiéis do presidente Jair Bolsonaro (PL) e parte dos simpatizantes do ex-juiz da Lava Jato Sergio Moro (Podemos), e alguma opção que possa vir da chamada terceira via. No centro e à direita, estão João Doria (PSDB), Rodrigo Pacheco (PSD) e Simone Tebet (MDB), por exemplo.

No cenário atual, os nomes mais competitivos para disputar com Bolsonaro o eleitorado de direita são Moro e Doria, destaca o gerente de análise política e econômica da Prospectiva Consultoria, Adriano Laureno. Embora considere cedo para avaliar o potencial de crescimento de cada um, ele não descarta que um desses dois consiga despontar e até chegar a um patamar que desbanque o presidente no campo da direita. 

No caso de Moro, no entanto, será preciso mais estrutura de campanha. Filiado ao Podemos, um partido menor do que o dos adversários, o ex-juiz e ex-ministro da Justiça do governo Bolsonaro precisará de mais tempo de TV e verbas para conseguir angariar votos tanto da centro-direita quanto da direita mais radical. 

“É central na estratégia do Moro uma aliança, por exemplo, com o União Brasil ou com Doria ou Pacheco. Ele precisa de mais palanques nos estados e de base eleitoral para competir com Bolsonaro, que, dessa vez, vai ter tudo isso”, afirma Laureno. Para ele, Moro entra na disputa como candidato de direita, mas não tão extrema como Bolsonaro. 

Dizer que Moro é de centro é “forçar a barra”, acredita Laureno. “As falas políticas recentes dele o colocam na direita tradicional”, considera. Já para a doutora em ciência política Carolina Botelho, pesquisadora da Universidade Mackenzie, Moro está na extrema-direita, assim como Bolsonaro.

Na visão de Botelho, a direita hoje está rachada entre a extrema-direita, representada pelo presidente e pelo ex-juiz, e a direita democrática. “Bolsonaro e Moro vieram do mesmo grupo, que apenas foi dividido em dois por disputa política e projeto de poder. Estavam juntos até o ano passado”, lembra.

Bolsonaro e Moro, juntos, contam com 37% das intenções de voto quando são citados os nomes dos candidatos — 27% vão para o primeiro e 10% para o segundo, pela pesquisa EXAME/IDEIA mais recente, divulgada em 10 de dezembro. Os dois, somados, têm exatamente o mesmo percentual que diz que votaria em Lula, se as eleições fossem hoje.

Mesmo se for considerado opção de terceira via, Moro ainda não se consolidou como uma alternativa forte o suficiente para superar Bolsonaro no campo da direita. Embora conte com 10% das intenções de voto quando são listados os candidatos, apenas 2% dizem que votarão no ex-juiz quando não são apresentados os nomes, segundo a pesquisa EXAME/IDEIA.

Com uma opção de esquerda e duas de direita liderando as pesquisas, a dificuldade da centro-direita e da direita mais moderada será achar um nome competitivo, em um cenário em que nenhum, até agora, tem tido grande projeção. O quarto pré-candidato que se destaca na pesquisa estimulada é o de Ciro Gomes (PDT), com 6%, seguido de Doria, com 4%.

No primeiro turno, a direita menos radical tende a votar em alguma das opções postas na lista da terceira via. Além de Moro, Doria, Tebet e Pacheco, estão colocadas as pré-candidaturas de Alessandro Vieira (Cidadania), Luiz Felipe D'Ávila (Novo) e André Janones (Avante), o que evidencia o nível de fragmentação desse grupo.

Ciro Gomes, apesar de estar na esquerda, pode atrair alguma parcela de centro-direita ou da direita mais moderada. Recentemente, o pedetista tem se engajado na busca desses votos, observa Laureno. “A estratégia dele, vendo que Lula está consolidado em primeiro na preferência da esquerda, é tentar votos mais de centro. Ele fez acenos à direita, mas é difícil dissociá-lo da imagem de alternativa à esquerda”, diz.

“A esquerda se concentra no Lula, que hoje é o símbolo maior. Já a direita, na verdade, pode ser chamada de ‘as direitas’, porque está bem dividida”, avalia o cientista político André César, da Hold Assessoria Legislativa. Segundo ele, tudo indica que parte dos candidatos que hoje estão entre Lula e Bolsonaro vão se organizar em chapas próprias, o que pode mudar o curso das eleições.

Moro, por exemplo, pode realmente se juntar a Doria, e o mais provável é que o ex-juiz assuma a cabeça de chapa. “A direita tradicional, que pode se acoplar em alguma outra candidatura, quer se desvincular dessa imagem radical. Vejo Moro e Doria como as opções mais viáveis hoje no mercado eleitoral nesse campo", diz César.

Para o cientista político da Hold, a direita tradicional não migra mais para Bolsonaro, como aconteceu em 2018, com o apoio de Doria ao atual presidente, por exemplo. “Isso não deve se repetir. A direita menos radical e a centro-direita se descolaram de tal forma de Bolsonaro que hoje não há o mínimo diálogo”, afirma.

No segundo turno, porém, a situação é mais difícil para a direita tradicional, caso não emplaque um candidato forte. Se chegar um momento em que será preciso escolher entre Bolsonaro e Lula, como indicam as pesquisas, a extrema-direita irá, naturalmente, para o atual presidente. Mas a direita moderada, apesar de todas as críticas aos governos petistas, pode embarcar na candidatura de Lula, principalmente se o vice for de centro-direita ou de direita.

É nesse cenário que uma chapa com o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin poderia beneficiar o ex-presidente. “No primeiro turno, tem opções para a direita. Ela pode querer não embarcar em uma chapa Lula-Alckmin. Mas, no segundo turno, tem peso simbólico a união de dois grupos que até pouco tempo estavam em lados opostos, mas que se juntaram para fazer frente ao que representa Bolsonaro”, acredita Botelho.

O segundo turno das eleições tende a ser uma disputa de rejeições. Resta saber como a direita se posicionará nesse contexto. Embora a rejeição de Bolsonaro, hoje, seja maior do que a de Lula, esse quadro pode mudar. "Por enquanto, Lula está em um momento de lua de mel, não está sendo tão atacado ainda, e Bolsonaro está no pior momento. O antipetismo pode aflorar na campanha", ressalta Laureno.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também