Brasil

Comissão da Câmara volta a discutir projeto que proíbe casamento entre pessoas do mesmo sexo

A proposta começou a ser discutida na Câmara no início de setembro. O relator do caso, deputado Pastor Eurico (PL-PE), apresentou o parecer que veta o reconhecimento da união homoafetiva

Câmara dos Deputados: proposta será analisada nesta terça-feira (Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados/Agência Câmara)

Câmara dos Deputados: proposta será analisada nesta terça-feira (Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados/Agência Câmara)

André Martins
André Martins

Repórter de Brasil e Economia

Publicado em 19 de setembro de 2023 às 10h52.

A Comissão de Previdência, Assistência Social, Infância, Adolescência e Família da Câmara dos Deputados marcou para esta terça-feira, 19, a votação de projeto de lei (PL) que proíbe o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

A proposta começou a ser discutida na Câmara no início de setembro. O relator do caso, deputado Pastor Eurico (PL-PE), apresentou o parecer que veta o reconhecimento da união homoafetiva. Em relatório, o deputado citou oito projetos de lei sobre o tema que tramitam em conjunto na casa legislativa. O principal deles é do ex-deputado Clodovil Hernandes (PTC-SP), que aponta a possibilidade de celebrar casamentos homoafetivos.

O relator se manifestou pela rejeição do PL de Clodovil e para aprovação do PL nº 5.167/2009, que estabelece que nenhuma relação entre pessoas do mesmo sexo pode equiparar-se ao
casamento ou a entidade familiar.

O casamento homoafetivo não é regulamentado em lei no Brasil. Em 2011, o Supremo Tribunal Federal (STF) equiparou as relações entre pessoas do mesmo sexo às uniões estáveis entre homens e mulheres, reconhecendo, assim, a união entre pessoas do mesmo sexo como núcleo familiar.

Dois anos depois, em 2013, o Conselho Nacional da Justiça (CNJ) determinou que todos os cartórios do país realizassem casamentos homoafetivos. Desde a aplicação da medida, o número de casamentos homoafetivos saltou de 3.700 em 2013 para quase 13 mil até 2022 no Brasil.

A proposta do parlamentar pernambucano é incluir no artigo 1.521 do Código Civil o parágrafo que coloca impedimentos para a celebração de casamentos e uniões estáveis. Hoje, o artigo 1.521 enumera os casos em que o casamento não é permitido, como nos casos de união de pais com filhos ou de pessoas já casadas. 

Na justificativa, Eurico afirmou que o casamento “representa uma realidade objetiva e atemporal, que tem como ponto de partida e finalidade a procriação, o que exclui a união entre pessoas do mesmo sexo”. O deputado afirma que também que "a lei deve ser respeitada" e, hoje, "inexiste qualquer previsão que permita o casamento ou a união estável entre pessoas do mesmo sexo". Ele também usa teses religiosas para fender o acolhimento da proposta.“Toda lei feita pelos homens tem razão de lei porquanto deriva da lei natural”, acrescentou.

Pastor Eurico ainda criticou a decisão do STF que reconheceu a união homoafetiva. “Mais uma vez, a Corte Constitucional brasileira usurpou a competência do Congresso Nacional, exercendo atividade legiferante incompatível com suas funções típicas”, argumentou. 

Reação ao projeto

A comunidade LGBTI+ considera a medida inconstitucional e um ataque à cidadania. O presidente da Aliança Nacional LGBTI+, Toni Reis, um dos autores da ação que originou a decisão do STF a favor do casamento homoafetivo, acredita que o projeto não deve prosperar no Congresso Nacional. A iniciativa “gera discurso de ódio porque eles não querem que nós existamos como cidadãos e cidadãs”, afirmou Reis. O Grupo Estruturação - LGBT+ de Brasília convocou um ato de repúdio contra o projeto de lei para hoje, às 11h, em frente ao anexo II da Câmara dos Deputados.

Acompanhe tudo sobre:Câmara dos DeputadosLGBT

Mais de Brasil

Códigos de pagamento do INSS: significado de cada um

Justiça manda PT parar de distribuir panfletos contra Nunes e determina apreensão na sede do partido

USP cai para 2º lugar em ranking das melhores universidades da América Latina

Câmara deve votar requerimento de urgência para projeto que equipara caso de aborto a homicídio

Mais na Exame