Brasil

Com ampla vantagem, Álvaro Dias é reeleito prefeito de Natal em 1º turno

O candidato do PSDB afirmou que vai intensificar o combate ao coronavírus na capital do Rio Grande do Norte

Álvaro Dias, candidato do PSDB, garante reeleição à prefeitura de Natal (Facebook/Reprodução)

Álvaro Dias, candidato do PSDB, garante reeleição à prefeitura de Natal (Facebook/Reprodução)

AA

Alessandra Azevedo

Publicado em 15 de novembro de 2020 às 23h13.

Álvaro Dias, do PSDB, venceu a disputa pela prefeitura de Natal em primeiro turno, neste domingo, 15, e foi reeleito para o posto por mais quatro anos. O tucano superou com folga os adversários. Com 100% das urnas apuradas, teve 194.764 votos, o que corresponde a 56,58% dos votos válidos. O segundo colocado, senador Jean Paul Prates (PT), que tentava uma vaga no segundo turno, conseguiu 49.494, ou 14,38% da preferência do eleitorado. 

Aos 61 anos de idade, Álvaro Dias será reconduzido em 2021 à prefeitura que assumiu em 2018, quando o titular da cadeira, Carlos Eduardo Alves (PDT), renunciou ao cargo para disputar o governo do Rio Grande do Norte. O nome escolhido pelo PSDB tem hoje 63% de aprovação do eleitores, que consideram que ele faz uma gestão boa ou ótima, de acordo com o Ibope. A vice da chapa é a advogada Aíla Cortez, do PDT, partido ao qual Dias foi filiado entre 2003 e 2011. 

O prefeito liderou as pesquisas desde que a campanha começou e abriu cada vez mais vantagem em relação aos adversários ao longo dos dias. Em 18 de outubro, contava com 33% das intenções de voto, de acordo com pesquisa publicada pelo Sistema Tribuna em parceria com o instituto Perfil. Na véspera do pleito, no último sábado, 14, o levantamento do Ibope apontou que ele havia subido para 52% dos votos totais e, com isso, 62% dos votos válidos.

Parte dos votos se explica pelo currículo e pelas promessas relacionadas à saúde, que menciona em vários discursos. Dias é médico e, além de ter sido deputado estadual por cinco mandatos e federal uma vez, já foi secretário de Saúde de Caicó, cidade onde nasceu. Na convenção em que formalizou a candidatura, em 12 de setembro, garantiu que, se fosse reeleito, continuaria projetos ainda não terminados e faria novos trabalhos nas áreas de saúde, saneamento e turismo. Uma das principais promessas é a construção de um hospital municipal com 240 leitos.

 

Covid-19

Confiante na vitória, Dias levantou novamente a bandeira da saúde ao votar, neste domingo, 15, por volta das 11h30, acompanhado da mãe e de correligionários. Ele garantiu que, se fosse eleito, se dedicaria ao combate ao novo coronavírus e à prevenção de uma nova onda de infecções. "Nosso grande foco, a partir, inclusive, de segunda-feira, antes da posse, será controlar a pandemia", disse. O prefeito anunciou que vai convocar o comitê cientifico para evitar a segunda onda.

A atuação do prefeito no combate ao novo coronavírus, no entanto, gerou controvérsia. Durante a pandemia, Dias distribuiu cloroquina e ivermectina na rede pública, mesmo sem nenhuma evidência científica de que o uso dos medicamentos é eficaz contra o vírus. Neste domingo, ele voltou a defender a medida. "Vamos aconselhar o uso da ivermectina", afirmou, após votar. O Ministério Público do Rio Grande do Norte chegou a abrir uma investigação para apurar se Dias fez propaganda eleitoral antecipada ou irregular com o assunto.

Até o último sábado, 14, Natal registrava 22.356 casos do novo coronavírus e 975 mortes desde o início da pandemia. Além de segurar um novo avanço da covid-19, serão preocupações do prefeito a retomada econômica e a geração de empregos, já que Natal fechou 6.522 postos de trabalho entre janeiro e setembro, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho. Segundo o Observatório das Metrópoles, 49,3% do eleitorado em Natal recebeu auxílio emergencial.

 

 

Acompanhe tudo sobre:Eleições 2020Natal (RN)Prefeituras

Mais de Brasil

Chuva deve voltar ao Rio Grande do Sul nesta segunda-feira

Apenas 11% das escolas têm internet na velocidade certa, diz pesquisa

Julgamento que pode cassar Jorge Seif ficará para Cármen Lúcia após saída de Moraes do TSE

Rio Grande do Sul: Defesa Civil contabiliza 200 toneladas de alimentos doados

Mais na Exame