Brasil

Mais de 7 milhões de pessoas passam fome no Brasil

Em 2013, 52 milhões de brasileiros passaram por dificuldades para comprar comida. A boa notícia é que este número está caindo a cada ano


	Alimentos: entre 2009 e 2013, a quantidade de casas com dificuldades para comprar comida caiu de 30,2% para 22,6%
 (REUTERS/Vasily Fedosenko)

Alimentos: entre 2009 e 2013, a quantidade de casas com dificuldades para comprar comida caiu de 30,2% para 22,6% (REUTERS/Vasily Fedosenko)

DR

Da Redação

Publicado em 18 de dezembro de 2014 às 11h55.

São Paulo - Em 2013, 52 milhões de brasileiros tiveram algum tipo de dificuldade para comprar alimentos. Apesar de o número ser alto, ele está em queda. Segundo dados do PNAD, entre 2009 e 2013, a quantidade de casas com insegurança alimentar caiu de 30,2% para 22,6%. No entanto, 7 milhões de pessoas ainda passam fome no Brasil.

Os dados são do levantamento suplementar da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2013 sobre segurança alimentar que foi realizado pelo IBGE em convênio com o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS). 

Um domicílio com insegurança alimentar é aquele em que os membros, adultos e crianças, passam por privação de alimentos. O IBGE classifica a insegurança em três níveis.

Os níveis de insegurança alimentar  
Leve Domicílios em que foi detectada alguma preocupação com a quantidade e qualidade dos alimentos disponíveis.
Moderada Domicílios em que os moradores convivem com a restrição quantitativa de alimento.
Grave Domicílios onde, além dos membros adultos, as crianças também passam pela privação de alimentos, podendo chegar à sua expressão mais grave, a fome.

A situação é mais crítica nas regiões Norte e Nordeste, onde atinge 36,1% e 38,1% dos domicílios. Na área rural chega a 35,3%.

Insegurança alimentar no Brasil % de domicílios Quantidade de domicílios Quantidade de pessoas % de pessoas
Leve 14,80% 9,6 milhões 34,5 milhões 17,10%
Moderada 4,60% 3 milhões 10,3 milhões 5,10%
Grave 3,20% 2,1 milhões 7,2 milhões 3,60%

A prevalência de insegurança alimentar moderada ou grave é maior nos domicílios cuja pessoa de referência é mulher (9,3%), de cor ou raça preta ou parda (29,8%). 

Outra característica das pessoas em situação de insegurança alimentar é que mais da metade (54,7%) delas estão empregadas - e mesmo assim não têm dinheiro para alimentação.

Fiado

A pesquisa também investigou qual a estratégia utilizada pelas famílias para driblar a falta de comida. Veja abaixo:

Estratégia utilizada %
Comprar fiado 43,3%
Pedir alimentos emprestados a parentes/vizinhos/amigos 27,8%
Deixar de comprar alimentos supérfluos 7,2%
Pedir dinheiro emprestado 5,0%
Comer menos carnes 3,5%
Receber alimentos da comunidade, vizinhos, parentes e amigos 3,3%
Prestar pequenos serviços a parentes e amigos em troca de alimentos 2,8%
Outras 7,1%
Acompanhe tudo sobre:AlimentosEstatísticasFomeIBGEPNADTrigo

Mais de Brasil

Base aérea de Canoas começa a receber voos comerciais nesta segunda

Governo libera 7,2 bilhões para comprar arroz importado

Guitarrista da banda Afrocidade morre após ser espancado na Bahia

Como irá funcionar o sistema de câmeras usadas por PMs; governo Tarcísio detalha

Mais na Exame