Brasil

Bolsonaro: "Sem voto impresso em 2022, vamos ter problema pior que dos EUA"

Presidente Jair Bolsonaro voltou a levantar dúvida sobre a confiabilidade do sistema eleitoral brasileiro e a pressionar pela instituição do voto impresso

Jair Bolsonaro: "E aqui no Brasil, se tivermos o voto eletrônico em 2022, vai ser a mesma coisa. A fraude existe" (Evaristo Sá/AFP)

Jair Bolsonaro: "E aqui no Brasil, se tivermos o voto eletrônico em 2022, vai ser a mesma coisa. A fraude existe" (Evaristo Sá/AFP)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 7 de janeiro de 2021 às 12h46.

Última atualização em 7 de janeiro de 2021 às 13h31.

Após extremistas invadirem a sede do Legislativo americano para interromper a confirmação da eleição nos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro voltou a levantar dúvida sobre a confiabilidade do sistema eleitoral brasileiro e a pressionar pela instituição do voto impresso.

Sem citar diretamente o ataque ao Capitólio por uma multidão pró-Donald Trump nesta quarta-feira, 6, Bolsonaro afirmou que o modelo eletrônico pode levar o Brasil a ter um problema pior que os Estados Unidos. "Se nós não tivermos o voto impresso em 2022, uma maneira de auditar o voto, nós vamos ter problema pior que os Estados Unidos", disse o presidente.

Também sem apresentar nenhuma prova, Bolsonaro repetiu que houve fraude nas eleições americanas. "O pessoal tem de analisar o que aconteceu nas eleições americanas agora. Basicamente qual foi o problema, a causa dessa crise toda? Falta de confiança no voto. Então lá, o pessoal votou e potencializaram o voto pelos correios por causa da tal da pandemia e houve gente que votou três, quatro vezes, mortos votaram, foi uma festa lá. Ninguém pode negar isso daí", disse Bolsonaro. "E aqui no Brasil, se tivermos o voto eletrônico em 2022, vai ser a mesma coisa. A fraude existe."

As declarações foram feitas em uma conversa com apoiadores, em frente ao Palácio da Alvorada, na manhã desta quinta-feira, 7. Nos Estados Unidos, a invasão ocorreu após um discurso do atual presidente, Donald Trump, no qual ele prometeu que jamais admitirá a derrota eleitoral. Apesar do ataque, o Congresso confirmou a vitória do democrata Joe Biden.

"Canalhas"

Na conversa com apoiadores, Bolsonaro fez referência à falta de apresentação de provas sobre a acusação de fraude nas eleições americanas. O chefe do Planalto declarou que não responderia mais aos profissionais da imprensa, a quem chamou de "canalhas". Mais uma vez, ele colocou dúvidas sobre sua própria eleição em 2018. A tese, no entanto, foi rebatida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que garantiu a segurança da urna eletrônica.

Vacinação

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira, 7, que menos da metade da população brasileira pretende tomar a vacina contra a covid-19. O dado, porém, foi citado por Bolsonaro como resultado de um levantamento próprio feito por ele na praia e nas ruas. "Alguém sabe quantos por cento da população vai tomar vacina? Pelo que eu sei, menos da metade vai tomar vacina. E essa pesquisa que eu faço, faço na praia, faço na rua, faço em tudo quanto é lugar", disse Bolsonaro a apoiadores em frente ao Palácio do Alvorada.

De acordo com pesquisa do instituto Datafolha publicada na primeira quinzena de dezembro, o percentual de brasileiros dispostos a se vacinar contra a covid-19 caiu de 89% na primeira quinzena de agosto para 73% em dezembro, e no mesmo período cresceu de 9% para 22% a parcela de pessoas que declaram que não querem tomar a vacina.

O presidente reforçou o compromisso do governo de começar a disponibilizar a vacina em janeiro. Após o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), prometer vacinar toda a população de São Paulo em 2021, Bolsonaro declarou que alguns estados só estão anunciando um plano de vacinação porque o governo federal distribuiu recursos durante a prefeitos e governadores durante a crise.

O Brasil anunciou a importação de 2 milhões de doses da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca neste mês. Bolsonaro deu garantia que haverá seringas para todo mundo que desejar se vacinar.

O presidente suspendeu a compra de seringas e agulhas até que os preços "voltem ao normal". A medida ameaça o calendário de vacinação contra a covid-19 e outras doenças no país. Bolsonaro rebateu a estimativa declarando que há material nos estados para vacinação. O mandatário justificou a suspensão pela alta de preços.

Acompanhe tudo sobre:Donald TrumpEleições 2022Eleições americanasEstados Unidos (EUA)Jair Bolsonaro

Mais de Brasil

Vai ter greve do Metrô amanhã? Sindicato se reúne nesta terça para decidir sobre paralisação

Sobe para 161 número de mortos devido às fortes chuvas no RS; veja serviços parados

Exército reduz de 5 para 1 o total de fuzis que PMs podem 'ter em casa'

Comissão da Câmara deve votar convite para ouvir Elon Musk

Mais na Exame