Brasil

Bolsonaro no TSE: o que o ex-presidente já falou sobre o julgamento que pode torná-lo inelegível

Corte julga ação sobre reunião com embaixadores em que houve acusações falsas ao processo eleitoral

Bolsonaro: ex-presidente mudou de postura e falou sobre o julgamento nos úlimto sidas (Jair Bolsonaro/ Facebook/Reprodução)

Bolsonaro: ex-presidente mudou de postura e falou sobre o julgamento nos úlimto sidas (Jair Bolsonaro/ Facebook/Reprodução)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 27 de junho de 2023 às 08h53.

Última atualização em 27 de junho de 2023 às 08h53.

Desde que passou a ser alvo de uma ação que pode torná-lo inelegível, o ex-presidente Jair Bolsonaro deu uma série de declarações sobre o assunto, passando pela descrença sobre ter seus direitos políticos cassados, por reclamações sobre estar sendo injustiçado e, mais recentemente, flertando com a aceitação de um possível desfecho negativo aos seus planos de concorrer ao cargo novamente em 2026.

O TSE volta a se reunir nesta quinta-feira para julgar o processo que pode determinar a inelegibilidade do ex-presidente. O colegiado vai analisar uma ação movida pelo PDT por questionamentos feitos pelo ex-mandatário ao processo eleitoral, sem apresentar provas, em uma reunião com embaixadores realizada em julho de 2022.

Confira as principais falas de Bolsonaro sobre a possibilidade de ficar inelegível:

14 de março

Ainda nos Estados Unidos, ele reconheceu a possibilidade de ficar fora de eleições por oito anos. "Infelizmente, em alguns casos no Brasil você não precisa ter culpa para ser condenado. Então existe essa possibilidade de inelegibilidade, sim. A questão de prisão, só se for uma arbitrariedade".

30 de março

Em entrevista à Jovem Pan, disse que não considerava a hipótese de avanço do processo. "O advogado do partido está tratando desse assunto. Eu não vejo materialidade em nada. A ação mais forte contra mim é uma reunião com embaixadores em meados do ano passado. Por quê? A política para tratar com embaixadores é prerrogativa minha. Não vejo motivo para me julgar inelegível por isso".

14 de junho

Às vésperas do julgamento, Bolsonaro disse estar preparado para “aconteça o que acontecer". Na ocasião, ele participou do evento de filiação do ex-ministro da Saúde Marcelo Queiroga ao PL. "A gente sabe como é a política brasileira, e já sabemos também como é a Justiça aqui no Brasil. Então a gente se prepara para que aconteça o que acontecer, a gente se prepara para buscar alternativas. Acredito em Deus, acredito neste país".

21 de junho

Na véspera do julgamento, o ex-presidente expressou um tom de desânimo e reconheceu que as chances de ser condenado são grandes. "Hoje em dia, é quase uma unanimidade que vou perder a ação. Essa é uma verdade", disse à CNN Brasil.

22 de junho

No dia seguinte, chamou de “afronta” a possibilidade de ficar inelegível. "Na minha idade, eu gostaria de continuar 100% ativo na política. Tirando os seus direitos políticos, que, ao meu ver, é uma afronta, você perde um pouquinho desse gás", afirmou à Folha de S. Paulo.

23 de junho

Na sexta-feira, em Porto Alegre, Bolsonaro afirmou que não quer perder os direitos políticos e levantou a hipótese de se candidatar novamente. "Lógico que eu não quero perder meus direitos políticos. Até eu falei outro dia, né: estou pensando em ser candidato a vereador no Rio de Janeiro. Qual o problema? Não há demérito nenhum. Até vou me sentir jovem, porque geralmente a vereança é para a garotada, para os mais jovens, é o primeiro degrau da política. Em 2026, se estiver vivo até lá, e também elegível, se essa for a vontade do povo, a gente vai. Disputo novamente a presidência".

25 de junho

No domingo, Bolsonaro chamou o julgamento de "politiqueiro", mas ponderou que um possível resultado negativo "não será o fim do mundo. "É um julgamento politiqueiro, não era nem para ter sido recepcionada a ação. Por ter me reunido com embaixadores. É brincadeira. E tem uma jurisprudência de 2017, julgamento da chapa Dilma-Temer, que simplesmente deixou de existir agora para esse julgamento meu. Então, a gente vai ver o que acontece, eu não vou adiantar o resultado aqui, mas não será o fim do mundo", afirmou à Rádio Bandeirantes.

26 de junho

Na segunda-feira, o ex-presidente afirmou ser "injusto" alegar que ele atacou a democracia ao reunir embaixadores em Brasília para deslegitimar o processo eleitoral brasileiro.

"É justo cassar os direitos políticos de alguém que se reuniu com embaixadores? Não é justo falar "atacou a democracia". Ninguém é insubstituível. O que acontece no momento é que tem muita gente aqui, muito mais competente do que eu, mas não tem o conhecimento nacional que eu tenho. E eu consegui o carinho de uma parte considerável da população", disse.

Acompanhe tudo sobre:Jair BolsonaroTSE

Mais de Brasil

Base aérea de Canoas começa a receber voos comerciais nesta segunda

Governo libera 7,2 bilhões para comprar arroz importado

Guitarrista da banda Afrocidade morre após ser espancado na Bahia

Como irá funcionar o sistema de câmeras usadas por PMs; governo Tarcísio detalha

Mais na Exame