Auxílio emergencial deverá ser de R$ 250 por 4 meses, diz Arthur Lira

Segundo Lira, a decisão foi tomada depois de reunião na tarde de domingo com o presidente Jair Bolsonaro e alguns de seus ministros

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou nesta segunda-feira, 1º de março, que o governo estuda renovar o pagamento do auxílio emergencial em quatro parcelas de R$ 250, nos meses de março, abril, maio e junho, a fim de combater os efeitos econômicos nocivos da pandemia da covid-19.

Segundo disse o presidente da Câmara em entrevista à RecordTV, o governo também analisará durante este período a criação de um novo programa de distribuição de renda, proposta que vem sendo discutida desde o último ano, mas que não decolou, entre outros motivos, por falta de espaço fiscal no Orçamento.

Lira esteve reunido na noite do domingo, 28, com o presidente da República, Jair Bolsonaro, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e o ministro da Economia, Paulo Guedes, em um encontro que classificou como "bastante produtivo", para tratar de assuntos como a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) Emergencial, auxílio e vacinação.

Vacinas

O presidente da Câmara disse que a previsão é de que até maio o governo federal tenha 140 milhões de vacinas. Lira afirmou que o calendário é "otimista" e que durante o encontro foi discutida uma "lógica de destravamento" para a aquisição de insumos e vacinas para o Brasil.

"É a única saída que nós temos para garantir a saúde da população e reaquecimento da economia", apontou Lira sobre a vacinação nacional.Segundo o presidente da Câmara, além de novas negociações, há "perspectiva clara de contratação por parte dos laboratórios, só tem que se fazer acompanhamento da importação de insumos e acompanhamento da produção" pelos laboratórios que ficaram responsáveis pela produção dos imunizantes, no caso o Instituto Butantan e a FioCruz.

Previsões

De acordo com Lira, a previsão é de a PEC Emergencial ter a leitura do relatório na terça-feira, 2, e votação no plenário do Senado na quarta-feira.

A respeito da Reforma Administrativa, a previsão é de que em até dois meses seja votada pela Casa e encaminhada para o Senado. Já a Reforma Tributária pode levar entre seis a oito meses para passar pela Câmara.

Pedidos de impeachment

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disse que não teve "oportunidade" até o momento de se debruçar sobre qualquer um dos mais de 60 pedidos de impeachment protocolados contra o presidente Jair Bolsonaro.

Lira afirmou, em entrevista à RecordTV, que "se o ex-presidente Rodrigo Maia não teve conclusões o suficiente para acatar nenhum (pedido de impeachment) até o momento em que todos foram apresentados na sua gestão, lógico que não vai ser esse presidente com menos de um mês - que não teve tempo para tratar dessa questão - que irá se posicionar agora".

Lira assumiu a presidência da Câmara no último 1º de fevereiro. Para o presidente da Câmara, "o assunto é sério e precisa ser tratado com a sensibilidade que o caso requer". "Mas ainda não tive oportunidade sequer de me debruçar sobre qualquer pedido", completou Lira.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.