Brasil

Anvisa se reúne com Butantan para avaliar uso da Coronavac em crianças

Decisão final ainda depende da análise de dados. Por enquanto, o único imunizante que tem autorização da Anvisa para ser aplicado em crianças de 5 a 11 anos é o da Pfizer

Vista da sede da Anvisa em Brasília (Ueslei Marcelino/Reuters)

Vista da sede da Anvisa em Brasília (Ueslei Marcelino/Reuters)

AA

Alessandra Azevedo

Publicado em 6 de janeiro de 2022 às 16h54.

Última atualização em 6 de janeiro de 2022 às 17h12.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) se encontra nesta quinta-feira, 6, com representantes do Instituto Butantan e especialistas de sociedades médicas para avaliar o uso da vacina Coronavac contra a covid-19 em crianças. A decisão definitiva, no entanto, não deve sair dessa reunião. A agência continuará o processo de análise dos dados.

Na terça-feira, 4, o Instituto Butantan, que produz a Coronavac em parceria com o laboratório chinês Sinovac, informou que um estudo de fase 3 feito na África do Sul com bebês de 6 meses a adolescentes de 17 anos de idade concluiu que a vacina é segura para essa faixa etária.

Os resultados das fases 1 e 2 do estudo, publicados na revista Lancet em junho, mostram que há forte resposta imune no público de 3 a 17 anos. O uso da Coronavac no público infantil já foi aprovado em alguns países, como China, Chile, Colômbia e Indonésia.

No Brasil, entretanto, a Coronavac ainda não tem registro definitivo, e, em agosto, a Anvisa negou pedido para que a vacina pudesse ser aplicada em crianças e adolescentes de 3 a 17 anos. Na ocasião, os técnicos mantiveram a autorização de uso emergencial para adultos, aprovado em janeiro, e cobraram mais dados sobre o desempenho da vacina.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou em dezembro que reservaria 12 milhões de doses da Coronavac para aplicação em crianças de 3 a 11 anos. A meta, no estado, é começar a vacinar o público infantil assim que a Anvisa der o sinal positivo. 

Por enquanto, o único imunizante que tem autorização da Anvisa para ser aplicado em crianças de 5 a 11 anos é o da Pfizer. A agência deu aval para uso nessa faixa etária em 16 de dezembro. Segundo o Ministério da Saúde, as aplicações devem começar ainda em janeiro, quando devem chegar 3,7 milhões de doses pediátricas da Pfizer ao Brasil.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusInstituto ButantanPandemiavacina contra coronavírus

Mais de Brasil

Vai ter greve do Metrô amanhã? Sindicato se reúne nesta terça para decidir sobre paralisação

Sobe para 161 número de mortos devido às fortes chuvas no RS; veja serviços parados

Exército reduz de 5 para 1 o total de fuzis que PMs podem 'ter em casa'

Comissão da Câmara deve votar convite para ouvir Elon Musk

Mais na Exame