Acompanhe:

Anvisa pretende proibir gordura trans em alimentos em 3 anos

Agência Nacional de Vigilância Sanitária abriu uma consulta pública para a proposta de limitar a quantidade da substância nas comidas antes da proibição

Modo escuro

Continua após a publicidade
Fast food: alimentos podem ter limite de gordura trans em breve (Pixabay/Reprodução)

Fast food: alimentos podem ter limite de gordura trans em breve (Pixabay/Reprodução)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 23 de julho de 2019 às, 21h26.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) abriu consulta pública para a proposta de adoção de um limite de gorduras trans em alimentos. A restrição seria iniciada pela implementação de um limite de 2% de AGTI (ácidos graxos trans industriais) sobre o teor total de gorduras nos alimentos destinados ao consumidor final, segundo informou o órgão. A medida, que também seria válida para os serviços de alimentação, teria um prazo de adequação de 18 meses.

A Anvisa diz que, com isso, "pretende propiciar um elevado nível de proteção à saúde da população, sem criar um impacto desproporcional sobre o setor".

"A proposta decorre da análise de estudos científicos que demonstram que os ácidos graxos trans (AGTs) podem contribuir para o desenvolvimento de várias doenças com evidências convincentes de que seu consumo acima de 1% do valor energético total afeta muitos fatores de risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares", informou em nota.

O órgão diz não haver dúvidas de que o consumo não traz nenhum benefício à saúde. "Por isso, o consumo de ácidos graxos trans industriais deve ser o mais baixo possível." A consulta ficará aberta por 60 dias.

A Anvisa diz que, em uma segunda etapa, "o uso de óleos e gorduras parcialmente hidrogenados - um tipo de AGTI - em alimentos seria banido no Brasil." Esse banimento seria implementado, explica o órgão, em um prazo adicional de mais 18 meses, após o fim da primeira etapa de restrições.

Medidas complementares de rotulagem também estão previstas. A ação deverá ocorrer na lista de ingredientes dos produtos, "para aprimorar a transmissão de informações sobre a presença de óleos e gorduras parcialmente hidrogenados", e também na tabela nutricional, "para informar sobre o teor de ácidos graxos trans em alimentos".

As gorduras trans são populares entre fabricantes de alimentos fritos, assados e salgadinhos porque têm um prazo de validade longo, mas são ruins para os consumidores, aumentando o risco de doenças cardíacas em 21% e as mortes em 28%, informou a OMS em comunicado de maio do ano passado. A Organização Mundial da Saúde (OMS) pede que a gordura trans seja eliminada até 2023.

Últimas Notícias

Ver mais
Anvisa proíbe venda de álcool 70% em supermercados e farmácias
Brasil

Anvisa proíbe venda de álcool 70% em supermercados e farmácias

Há uma semana

Anvisa autoriza registro de vacina que previne bronquiolite em bebês
Brasil

Anvisa autoriza registro de vacina que previne bronquiolite em bebês

Há uma semana

Anvisa alerta sobre repelentes adequados contra o mosquito da dengue
Brasil

Anvisa alerta sobre repelentes adequados contra o mosquito da dengue

Há 2 meses

Pesquisadores encontram pelo de rato e fragmentos de inseto em amostras de tempero 
Um conteúdo Bússola

Pesquisadores encontram pelo de rato e fragmentos de inseto em amostras de tempero 

Há 3 meses

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais