Anvisa identifica pontos fora do padrão em fábrica da Sinovac na China

Segundo apuração da revista veja, a Anvisa teria apontado pontos fora dos padrões exigidos no Brasil após a inspeção feita na fábrica da Sinovac

 A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) teria apontado um considerável número de pontos fora dos padrões exigidos no Brasil após a inspeção feita na semana passada na fábrica da Sinovac, na China, que está produzindo a vacina CoronaVac, de acordo com o site da revista Veja.

As falhas, segundo a revista, seriam em sua maioria questões menores, mas existem pontos de maior relevância que precisam ser corrigidos para que a CoronaVac obtenha a certificação no Brasil.

O Instituto Butantan, ligado ao governo paulista, está testando no país a CoronaVac e será responsável pela produção local do imunizante. Mesmo antes do registro na Anvisa, o governador do Estado, João Doria, já anunciou a vacinação contra Covid-19 em São Paulo a partir do dia 25 de janeiro e ainda quer emplacar a vacina no plano nacional de imunizações, apesar das resistências públicas do presidente Jair Bolsonaro, seu adversário político, à adoção da vacina chinesa.

O Ministério da Saúde tem dito que todas as vacinas, desde que registradas pela Anvisa, poderão ser incorporadas ao plano.

Em nota, a Anvisa não confirmou o teor da informação publicada pela Veja.

"Na reunião de encerramento da inspeção técnica da Anvisa, é realizado um fechamento dos trabalhos, citando os achados da inspeção. A comunicação é feita com o Instituto Butantan nos termos formais do processo de inspeção. O tema é prioridade para Anvisa, estamos atuando focados para favorecer o acesso às vacinas da Covid-19. Por fim, não confirmamos o exposto na reportagem. Reconhecemos, apenas, os canais de informações formais com o Instituto Butantan", afirmou.

O Butantan, também em nota, não deu detalhes da comunicação com o Butantan e disse que acompanhou a auditoria da Anvisa na fábrica da Sinovac. O instituto disse que "seguirá em contato com o órgão de controle visando ao rápido registro da vacina no país".

"Inspeções como a ocorrida na última semana são praxe na indústria farmacêutica e têm como finalidade atestar as boas práticas de fabricação", afirmou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.