Brasil

ANS: internação eletiva terá de ocorrer em até 21 dias

Já a marcação de consultas de fonoaudiologia, nutrição, psicologia, terapia ocupacional terão de ocorrer em um prazo máximo de dez dias

Planos de saúde terão que agilizar também o atendimento a pacientes com casos de alta complexidade (.)

Planos de saúde terão que agilizar também o atendimento a pacientes com casos de alta complexidade (.)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2010 às 03h47.

São Paulo - A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) definiu que os planos de saúde deverão garantir uma rede de serviços suficiente para que seus clientes consigam fazer internações eletivas (aquelas que não são de emergência) em até 21 dias. A marcação de consultas de fonoaudiologia, nutrição, psicologia, terapia ocupacional, sessões de fisioterapia e diagnósticos por imagem terão de ocorrer em um prazo máximo de dez dias.

As consultas de odontologia terão de ser acessadas em até sete dias. As mudanças devem passar a valer a partir do próximo ano.

Os planos também terão prazos máximos, que variam de 3 a 21 dias para exames clínicos, consultas básicas (com o clínico-geral, por exemplo), consultas de especialidade (com o oftalmologista) e para acesso a procedimentos de alta complexidade e cirurgias eletivas (não emergenciais), conforme o jornal O Estado de S. Paulo antecipou em sua edição de ontem.

É a primeira vez que a agência define prazos para atendimento. As consultas de especialidade terão prazo máximo de 15 dias, e não 14, como previsto ontem, e a cardiologia foi incluída no rol de atendimentos com espera máxima de 7 dias.

"Razoável, é. Mas é muito relativo. É importante delimitar isso e até revisar ao longo do tempo, caso se perceba que (o prazo) não é ideal. Esperar 21 dias para uma cirurgia eletiva em casos de câncer pode ser muito", disse o presidente da Associação Paulista de Medicina, Jorge Cury. Situações de emergência e urgência continuam sendo atendidas imediatamente no pronto-socorro. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia mais notícias sobre saúde

Siga as últimas notícias de Economia no Twitter

Acompanhe tudo sobre:Planos de saúdeRegulamentaçãoSaúdeServiçosServiços de saúdeSetor de saúde

Mais de Brasil

Governo federal libera mais R$ 1,8 bilhão para ações de apoio ao RS

Prefeitura de Porto Alegre fecha comportas do Cais Mauá para barrar água do Guaíba

PT concorda com revisão de benefícios fiscais, mas critica Tarcísio por aumento para 2025

Onda de frio: temperatura terá queda brusca no Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Norte a partir de sexta

Mais na Exame