Brasil

Amoêdo encosta em Ciro em pesquisa do BTG; Lula e Bolsonaro lideram

Quando não foram apresentados os nomes dos candidatos, Amoêdo ultrapassou Ciro Gomes, Geraldo Alckmin e Marina Silva na intenção de votos

João Amoêdo, do partido Novo, durante campanha à Presidência. (Yolanda Prezentino/Partido Novo/Divulgação)

João Amoêdo, do partido Novo, durante campanha à Presidência. (Yolanda Prezentino/Partido Novo/Divulgação)

Luiza Calegari

Luiza Calegari

Publicado em 27 de agosto de 2018 às 09h00.

Última atualização em 31 de agosto de 2018 às 15h58.

São Paulo — Mesmo preso, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) continua liderando as pesquisas de intenção de votos nos cenários em que é apresentado como candidato, de acordo com um novo levantamento produzido pelo banco de investimentos BTG Pactual e divulgado nesta segunda-feira (27).

A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) como BR-06062/2018, e tem margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Foram ouvidos 2 mil eleitores por telefone nos dias 25 e 26 de agosto.

Nas respostas espontâneas, Lula é citado por 26% dos entrevistados; no cenário estimulado (quando os nomes dos candidatos são apresentados), ele chega a 35% das intenções de voto.

O segundo colocado da lista, o deputado Jair Bolsonaro (PSL), é citado por 19% das pessoas no levantamento espontâneo, por 22% no cenário com Lula, e lidera com 24% das intenções de voto no cenário sem Lula.

A surpresa da pesquisa fica por conta do banqueiro João Amoêdo (Novo): no levantamento espontâneo, ele aparece como terceiro nome mais citado, com 3% das intenções de voto, à frente de Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) e Geraldo Alckmin (PSDB), que têm, cada um, 2% das respostas na pesquisa (a diferença ainda está dentro da margem de erro).

No cenário estimulado e com Lula, Amoêdo tem 4% das intenções de voto, atrás de Marina Silva (9%), mas encostado, dentro da margem de erro, em Geraldo Alckmin (6%) e Ciro Gomes (5%).

Sem Lula no páreo, a intenção de voto em Marina Silva sobe para 15%; em Alckmin, para 9%; em Ciro, 8%.

Fernando Haddad, provável substituto de Lula caso ele não possa concorrer, passa para 5% e João Amoêdo mantém seus 4%.

Pesquisa espontânea

CandidatoIntenções de voto
Lula26%
Bolsonaro19%
João Amoêdo3%
Geraldo Alckmin2%
Marina Silva2%
Ciro Gomes2%
Alvaro Dias1%
Outros1%
Ninguém/nenhum15%
Branco/Nulo5%
Não sabe23%
Não respondeu2%

Cenário 1 de pesquisa estimulada (com Lula)

CandidatoIntenções de voto
Lula35%
Jair Bolsonaro22%
Marina Silva9%
Geraldo Alckmin6%
Ciro Gomes5%
João Amoêdo4%
Alvaro Dias2%
Guilherme Boulos1%
Henrique Meirelles1%
Outros1%
Ninguém/nenhum9%
Branco/nulo2%
Não sabe3%
Não respondeu1%

Cenário 2 de pesquisa estimulada (sem Lula)

CandidatoIntenções de voto
Jair Bolsonaro24%
Marina Silva15%
Geraldo Alckmin9%
Ciro Gomes8%
Fernando Haddad5%
João Amoêdo4%
Alvaro Dias3%
Henrique Meirelles1%
Guilherme Boulos1%
Cabo Daciolo1%
Outros2%
Ninguém/nenhum18%
Branco/nulo5%
Não sabe4%
Não respondeu1%

Transferência de votos de Lula

O ex-presidente Lula está preso desde abril após condenação em segunda instância no caso do tríplex no Guarujá. Como é pouco provável que ele vá participar das eleições, embora continue liderando as pesquisas, é importante saber para onde migram os seus votos caso ele não esteja na disputa.

Segundo o levantamento do BTG, 17% dos eleitores de Lula migram para Marina Silva; outros 12%, para Fernando Haddad; e fatias iguais de 9% se distribuem entre Jair Bolsonaro, Ciro Gomes e Geraldo Alckmin.

A grande maioria, porém, passa a responder que não votaria em nenhum dos candidatos (25%). Outros 8% dizem que votam branco ou nulo, e 5% afirmam que não sabem.

Acompanhe tudo sobre:BTG PactualCiro GomesEleições 2018Fernando HaddadGeraldo AlckminJair BolsonaroJoão AmoêdoLuiz Inácio Lula da SilvaMarina SilvaPesquisas eleitoraisTSE

Mais de Brasil

Câmara aprova a Lei Taylor Swift, que criminaliza cambismo digital

CCJ do Senado aprova projeto que prorroga por 10 anos as cotas para negros em concurso

Pacheco adia sessão sobre vetos, governo evita derrotas, e Lira demonstra insatisfação

Rio registra queda de 25% das mortes violentas no primeiro trimestre

Mais na Exame