Brasil

Aldo Rebelo: Ou Brasil volta a crescer ou não vejo solução para crises

Pré-candidato do Solidariedade à Presidência disse que um plano para superar a crise econômica deve ser a prioridade dos presidenciáveis

Aldo Rebelo: "Quando o País para de crescer, todos esse problemas se agravam" (Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr/Agência Brasil)

Aldo Rebelo: "Quando o País para de crescer, todos esse problemas se agravam" (Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr/Agência Brasil)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 6 de junho de 2018 às 19h34.

São Paulo - Pré-candidato do Solidariedade à Presidência da República, o ex-ministro Aldo Rebelo afirmou nesta quarta-feira, 6, que as mazelas pelas quais o País passa neste momento têm uma "matriz", a falta de crescimento econômico, e que um plano para superar a crise econômica deve ser a prioridade dos presidenciáveis.

"Creio que todo os impasses que vivemos no Brasil - na crise fiscal e Previdência, desemprego, as desigualdades sociais, que voltaram a crescer -, tudo tem uma matriz, que é fato de que o País precisar superar a falta do crescimento", disse Rebelo, que participou de uma conferência por telefone organizada pela corretora GO Associados, que também foi transmitida pelo YouTube.

"Quando o País para de crescer, todos esse problemas se agravam. Portanto, ou Brasil volta a crescer ou não vejo solução para essas crises", disse.

Em sua fala, Rebelo disse que o Brasil precisa voltar a investir em ciência e tecnologia para voltar a poder competir internacionalmente e que as reformas precisam não apenas modernizar a estrutura do Estado brasileiro, mas também não permitir o aumento da desigualdade.

O ex-deputado aproveitou também para criticar a política de preços da Petrobras e defender que ela não estabeleça seus preços olhando o preço internacional da commodity. "Nós produzimos nosso petróleo mais barato, porque precificá-lo em dólar? Os ganhos do petróleo produzido a preço menor não devem ser repassado ao acionistas, mas aos brasileiros", defendeu.

Confrontado sobre o cenário eleitoral fragmentado e a possibilidade de abdicar de sua candidatura para fortalecer outra chapa, disse que a questão é como governar o Brasil após o pleito de outubro e defendeu o fim da polarização entre esquerda e a direita. "Esse ano vamos ter a menor renovação da história recente do Congresso. Vai propor quatro ou cinco reformas nos primeiros dias? E aí?", questionou. "Como Teotônio Vilela dizia, o barro é esse, é preciso unir as formas em torno de um programa."

Acompanhe tudo sobre:Aldo RebeloEleições 2018Solidariedade (partido político)

Mais de Brasil

Gonet diz que 'não faz sentido' proibir delação premiada de presos, proposta em discussão na Câmara

STF tem maioria para derrubar pontos da reforma da Previdência que atingem servidores públicos

CCJ do Senado aprova liberação de cassinos, bingos e jogo do bicho

Mais na Exame