Acompanhe:

Alckmin perde mais do que Lula ao compor chapa com PT, diz EXAME/IDEIA

Pesquisa mostra que as potenciais chapas entre candidatos e respectivos vices para as eleições presidenciais de 2022 têm percepção mais negativa do que positiva na opinião pública

Modo escuro

Continua após a publicidade
Geraldo Alckmin: ex-governador de São Paulo negocia vaga de vice na chapa encabeçada por Lula (Paulo Whitaker/Reuters)

Geraldo Alckmin: ex-governador de São Paulo negocia vaga de vice na chapa encabeçada por Lula (Paulo Whitaker/Reuters)

F
Fabiane Stefano

Publicado em 11 de dezembro de 2021 às, 13h05.

A menos de um ano das eleições presidenciais, candidatos e partidos negociam com potenciais vices a composição de chapas que aumentem suas chances de vitória. Para a opinião pública brasileira, porém, a percepção das duplas em formação é mais negativa do que positiva.

Para 48% da população, a avaliação de uma chapa com Luiz Inácio Lula da Silva (PT) como presidente e Geraldo Alckmin como vice é negativa. Já 35% avaliam positivamente uma candidatura com o petista e o ex-governador de São Paulo, que já anunciou que está de saída do PSDB e negocia sua filiação ao PSB.

Os dados são da mais recente pesquisa EXAME/IDEIA um projeto que une EXAME e o IDEIA, instituto de pesquisa especializado em opinião pública. A sondagem ouviu 1.200 pessoas entre os dias 6 a 9 de dezembro. As entrevistas foram feitas por telefone, com ligações tanto para fixos residenciais quanto para celulares. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos. Clique aqui para ler o relatório completo.

Para Maurício Moura, fundador do IDEIA, sobre a potencial chapa Lula-Alckmin, o saldo é mais negativo do que positivo e sendo mais forte a rejeição da dupla na região Sudeste --- 53% avaliam negativamente a união do petista com o tucano. “Isso mostra que a junção com Lula afasta parte dos apoiadores do ex-governador Geraldo Alckmin. Ou seja, no âmbito estritamente eleitoral, quem perde mais é o tucano”, diz Moura.

Já no plano político, diz Moura, parece evidente o benefício de curto prazo dessa negociação. “Enquanto Lula sinaliza moderação, Alckmin ganha relevância nacional no debate político.”

(Arte/Site Exame)

EXAME/IDEIA testou dois potenciais vices para a candidatura do presidente Jair Bolsonaro (PL). Com Hamilton Mourão como vice, 57% da população avalia negativamente a reedição da chapa que garantiu a vitória do presidente em 2018.

Já em uma união com a ministra Damares Alves, 58% avaliam negativamente a potencial chapa e 57% dizem que diminuiriam as chances de votar no presidente. A chapa Bolsonaro-Damares foi a mais rejeitada pela opinião pública na pesquisa.

Em relação à chapa Sergio Moro (Podemos) como presidente e o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa na vaga de vice, a percepção de 46% sobre a dupla é negativa, frente à 24% que avaliam positivamente essa opção.

Já quando os nomes apresentados são os do governador de São Paulo, João Doria, como cabeça de chapa, e o de Moro como vice, a rejeição é de 43%, frente à 12% que apoiam a composição --- a menor percepção positiva. Na quarta-feira, 8, os dois pré-candidatos se encontraram em São Paulo na casa da deputada federal Renata Abreu, presidente nacional do Podemos, partido ao qual o ex-juiz se filiou no início de novembro.

“As diversas simulações de candidatos e respectivos vice-candidatos nos mostram que o saldo é mais neutro e negativo do que positivo em relação a essas potenciais chapas. Esses dados corroboram uma máxima de ciência eleitoral de que o vice funciona mais quando ajuda a não perder votos do que propriamente a conquistar eleitores”, diz Moura.

(Arte/Exame)

'Não vota de jeito nenhum'

Prestes a encerrar o terceiro ano de mandato e às vésperas da campanha para a reeleição, a rejeição da população ao presidente Bolsonaro aumentou: 48% declaram que não votariam no atual presidente de jeito nenhum, o que representa um aumento de quatro pontos percentuais em relação à última pesquisa, de 12 de novembro.

A rejeição ao ex-presidente Lula também subiu: de 37% em novembro para 40% em dezembro. Já 22% dos entrevistados dizem que não votariam de jeito nenhum Doria, que vem seguido de Moro, com 21%, e de Ciro, com 20%.

 

Últimas Notícias

Ver mais
Reforma Tributária: eleições para comitê gestor de imposto é desafio na regulamentação
Brasil

Reforma Tributária: eleições para comitê gestor de imposto é desafio na regulamentação

Há 4 horas

Governo contesta no STF leis que facilitam porte de arma no Rio Grande do Sul e no Paraná
Brasil

Governo contesta no STF leis que facilitam porte de arma no Rio Grande do Sul e no Paraná

Há 14 horas

Milei envia ministra ao Brasil para 1ª agenda de trabalho com governo Lula
Mundo

Milei envia ministra ao Brasil para 1ª agenda de trabalho com governo Lula

Há 15 horas

Lula veta trecho sobre visita a parentes na lei que restringe 'saidinha' de presos
Brasil

Lula veta trecho sobre visita a parentes na lei que restringe 'saidinha' de presos

Há 16 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais