Agora vai? Programa de redução de jornada já tem fonte de financiamento

Depois de diversos adiamentos, governo revela a interlocutores que programa deve finalmente ser reeditado

Depois de algumas idas-e-vindas, a prorrogação do programa de redução de jornada e salário pode finalmente sair. Depois que o presidente Jair Bolsonaro vetou a redução do valor das parcelas do seguro-desemprego para bancar a extensão do benefício, técnicos do governo procuraram outras formas de financiar o programa, considerado crucial para as pequenas e médias empresas que vem sentindo os efeitos da crise provocada pela pandemia.

Segundo fontes próximas ao Palácio do Planalto e ao Ministério da Economia, a ideia que vem ganhando mais força é o adiamento, em alguns meses, do pagamento do abono salarial de 2021. Os trabalhadores costumam receber o abono em meados do ano - fazem jus ao benefício os brasileiros que ganham até dois salários mínimos e estão cadastrados no PIS. A expectativa é que o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm) entre em vigor nos próximos dias, de acordo com empresários que estão em contato direto com o ministro Paulo Guedes.

Essas fontes, no entanto, também fazem questão de lembrar que o ministro chegou a prometer publicamente a reedição do BEm na primeira semana deste mês. Isso acabou não se confirmando. Desde então, o Ministério da Economia não se pronunciou mais sobre o assunto.

Sinalizações preliminares indicam que o benefício, com duração prevista de quatro meses, deverá seguir os mesmos moldes do ano passado, quando foi lançado com o intuito de proteger empregos empregos e negócios em meio à crise do coronavírus. 

O programa prevê que o governo complemente parte do salário do trabalhador que tiver seu pagamento e horário de trabalho reduzido em função do acordo feito com o governo. Em contrapartida, a empresa se compromete em não demitir. A suspensão temporária do contrato de trabalho também poderá entrar novamente em cena. 

Os setores da economia mais afetados pela crise relatam dificuldades em fazer frente à folha de pagamento e outros custos fixos. "Cerca de 80% dos bares e restaurantes deverão ter problemas em pagar os salários já no próximo dia 5", diz Paulo Solmucci, presidente-executivo da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel).

No varejo, o cenário também é preocupante. Durante uma reunião no início desta semana, representantes do Instituto para o Desenvolvimento do Varejo (IDV) revelaram que poderia haver demissões em massa caso o governo não oferecesse uma boia de salvação aos empreeendedores.

No ano passado, o programa de redução de jornada e salário ajudou a preservar 10 milhões de empregos e socorreu 1,5 milhão de empresas, segundo o Ministério da Economia.


O podcast EXAME Política vai ao ar todas as sextas-feiras. Clique aqui para ver o canal no Spotify, ou siga em sua plataforma de áudio preferida, e não deixe de acompanhar os próximos programas.

 

 

 

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também