Brasil

CCJ aprova projeto que exige referendo para privatizar Eletrobras

Se o projeto for aprovado, qualquer proposta sobre a privatização da Eletrobras que passe pelo Legislativo precisará ser aprovado em referendo

Eletrobras: "O que estamos propondo é uma coisa bastante razoável, e que não tem como alguém ser contra" (Nadia Sussman/Bloomberg)

Eletrobras: "O que estamos propondo é uma coisa bastante razoável, e que não tem como alguém ser contra" (Nadia Sussman/Bloomberg)

R

Reuters

Publicado em 28 de novembro de 2017 às 19h15.

São Paulo - A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira um projeto de decreto legislativo que prevê a exigência de a proposta do governo federal de privatizar a Eletrobras ser submetida a um referendo popular.

Com a aprovação, o texto fica pronto para ser apreciado pelo Plenário da Câmara, desde que colocado em pauta pelo presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), segundo o deputado Danilo Cabral (PSB-PE), que relatou a proposta na comissão.

Ele disse que, se o projeto for aprovado no Congresso, qualquer proposta sobre a privatização da Eletrobras ou suas subsidiárias que eventualmente passe pelo Legislativo precisará ser aprovado por maioria simples da população em referendo antes de entrar em vigor.

"O que estamos propondo é uma coisa bastante razoável, e que não tem como alguém ser contra. É ouvir o povo, simplesmente, antes de uma decisão dessa envergadura", disse o parlamentar à Reuters.

O texto aprovado aproveitou uma proposta de 2001, que previa a convocação de um plebiscito antes de uma eventual privatização da Chesf, subsidiária da Eletrobras no Nordeste. A matéria foi atualizada para envolver a Eletrobras como um todo diante da intenção do governo de desestatizar a elétrica, divulgada em agosto.

"Isso reflete um pensamento do conjunto das forças políticas do Congresso Nacional, de que essa privatização do setor energético não é uma questão de governo e oposição. Temos parlamentares em frentes contra a privatização que são da base do governo", adicionou Cabral.

O deputado disse que há iniciativas no Congresso para a criação de frentes parlamentares em defesa da Eletrobras e de suas subsidiárias que reúnem "mais de 350 parlamentares".

Ele defendeu que, com esse número de apoiadores, os políticos contrários à privatização têm força para ganhar disputas no Plenário tanto da Câmara quanto do Senado.

Acompanhe tudo sobre:Câmara dos DeputadosEletrobrasPrivatizaçãoReferendo

Mais de Brasil

Tarcísio estima economia de R$ 1,7 bi por ano com auditoria de aposentadorias e prova de vida

Às vésperas de posse na Petrobras, Magda Chambriard já dá expediente na companhia

PF pede inquérito contra Chiquinho Brazão por suspeita de desvio de emendas parlamentares

Claudio Castro é absolvido após TRE-RJ formar maioria contra cassação

Mais na Exame