Acompanhe:

Uma seca sem precedentes no noroeste da Tunísia anuncia um ano catastrófico na colheita de grãos. O país atravessa o quarto ano de seca. Mas, agora, ao contrário dos anos anteriores, a falta de chuva também afeta o noroeste fértil e rico em cereais.

A Tunísia irá aumentar a dependência das importações, em um contexto de alta dos preços desde a ofensiva russa na Ucrânia - dois países fundamentais na produção.

Dos 600 hectares que Tahar Chauachi, agricultor de 65 anos, plantou com trigo, cevada e leguminosas, apenas 70 vão produzir grãos neste verão. Os cereais serão destinados principalmente para alimentação animal."Plantamos trigo, mas os brotos morreram porque o solo está muito seco", contou à AFP enquanto mostrava seus campos em Medjez El Bab, 55 km de Túnis."Aqui se diz que a chuva de março é ouro puro. Mas não choveu nem em março nem em abril. Ficamos o ano todo sem chuva", lamenta.

A Tunísia depende principalmente da captação de água da chuva para seu abastecimento de água potável, e as represas neste país de 12 milhões de pessoas estão atualmente com apenas um terço de sua capacidade.

Os níveis da represa de Sidi Alem, na chuvosa região de Beja, perto da fazenda de Chauachi, estão em apenas 16%.

Efeitos da seca

A seca obrigou o Ministério da Agricultura a restringir o consumo de água. A rega com água potável das lavouras, dos espaços verdes e da limpeza das ruas foi proibida até o final de setembro, além da imposição de cotas de água para bairros e cortes noturnos para os indivíduos.

Outdoors na entrada da capital estampam: "A seca é uma ameaça ao nosso país. A economia de água é uma garantia de continuidade de vida das nossas crianças".

No entanto, "este ano a colheita vai ser catastrófica", explicou o porta-voz do principal sindicato agrícola Utap, Anis Kharbèche, que prevê "colheita entre 1 e 1,5 milhão de quintais de cereais" (100.000 a 150.000 toneladas) contra 7 milhões por ano passado.

Ele afirma que o país "terá de importar todas as suas necessidades de trigo duro, trigo mole e cevada". Ainda exigiu uma "estratégia clara" para aumentar as reservas de água e atribuir uma parcela para um mínimo de irrigação agrícola.

A agricultura representa entre 10% e 12% do PIB, mas "entre 2% e 3% dos agricultores abandonam o setor todos os anos", aponta Kharbèche.

Raudha Gafrej, um especialista em gestão de recursos hídricos, convida a "repensar o modelo agrícola diante das mudanças climáticas". "Já não faz sentido utilizar 80% dos recursos hídricos (potáveis) para 8% dos terrenos agrícolas úteis e deixar a agricultura temporária sem água. Com a seca já não haverá água para a agricultura de sequeiro", acrescenta.

Além da "agricultura de precisão", que usa dados de satélite e inteligência artificial, ele defende técnicas agrícolas que requerem menos água e a "cessação das exportações de tâmaras", atividade que consome abundante água subterrânea nas plantações do sul da Tunísia.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Omã abre mercado para bovinos vivos ao Brasil, informa Ministério da Agricultura
EXAME Agro

Omã abre mercado para bovinos vivos ao Brasil, informa Ministério da Agricultura

Há 5 horas

UE propõe flexibilizar exigências e reduzir os controles sobre os agricultores
EXAME Agro

UE propõe flexibilizar exigências e reduzir os controles sobre os agricultores

Há 7 horas

Vendas do agro ao exterior atingem US$ 11,7 bi
EXAME Agro

Vendas do agro ao exterior atingem US$ 11,7 bi

Há 14 horas

Agricultores levam seus tratores a Madri para mostrar insatisfação com política agrícola europeia
EXAME Agro

Agricultores levam seus tratores a Madri para mostrar insatisfação com política agrícola europeia

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais