EXAME Agro

Fertilizantes são maior crise da agricultura moderna, dizem especialistas

Guerra na Ucrânia e imagem do Brasil no exterior foram temas do painel sobre "Geopolítica do agronegócio", que abriu o evento SuperAgro da EXAME nesta quinta-feira

Maia, do BTG, Cossa, da Yara, Hodge, cônsul dos EUA: soluções de curto e longo prazo para a crise dos fertilizantes (Divulgação/Exame)

Maia, do BTG, Cossa, da Yara, Hodge, cônsul dos EUA: soluções de curto e longo prazo para a crise dos fertilizantes (Divulgação/Exame)

DR

Da Redação

Publicado em 7 de abril de 2022 às 10h02.

Última atualização em 14 de abril de 2022 às 11h38.

A guerra entre Rússia e Ucrânia quando o mundo ainda saía da pandemia da covid-19 colocou o agronegócio no centro de desafios inéditos - que vão da inflação crescente no mundo às cadeias de suprimentos e oferta de fertilizantes.

Para nomes do setor público e privado do agronegócio, será preciso buscar soluções não só de curto, como de médio e longo prazo no campo, e usando os gargalos atuais para reduzir a dependência de somente poucos fornecedores e ampliar a produção sustentável. 

O tema esteve no tema do painel de "Geopolítica do agronegócio", que abriu o evento SuperAgro da EXAME nesta quinta-feira, 7.

O evento contou com a presença de David Hodge, cônsul-geral dos EUA em São Paulo, Maicon Cossa, Vice-Presidente Comercial da Yara e Augusto Maia, Sales Trader de Commodities no BTG Pactual (do mesmo grupo que controla a EXAME). Veja o painel completo abaixo:

yt thumbnail

Na visão de Hodge, cônsul dos EUA, a oferta de fertilizantes enfrenta "sua maior crise nos tempos modernos" com a guerra na Ucrânia.

O cônsul afirma que o secretário de Agricultura dos EUA, Thomas J. Vilsack, e a ministra Tereza Cristina conversaram na semana passada sobre pesquisas e formas de reduzir a dependência de fertilizantes de alguns mercados.

A Rússia é uma das principais produtoras de fertilizantes do mundo, e respondia antes da guerra por mais de 20% de todos os fertilizantes usados no Brasil.

"Reconhecemos que essas não são soluções rápidas, mas nossos países compartilham dos mesmos valores e sabem que colaboração, como já demonstramos no passado, levará a resultados significativos", diz Hodge.

Seja o primeiro a saber das novidades do agronegócio. Assine a EXAME, por menos de R$ 0,37/dia.

Hodge pontua que, juntos, Brasil e EUA fornecem 60% de todo o milho e 80% de toda a soja consumidos no mundo, além de grande produção de aves e carnes suínas e bovinas. Os países são, assim, "grandes competidores" em muitos mercados, mas também parceiros em áreas de desenvolvimento e tecnologia, diz o cônsul.

"Essa colaboração de longa data apoia nossos setores agrícolas e tem contribuído para a promoção da segurança alimentar global", diz.

Cossa, da Yara, lembrou que a demanda por fertilizantes ao longo dos últimos anos já vinha tendo alta de 30%, e o setor conseguiu responder à altura.

Mas afirma que, em meio à crise na oferta atual, além de reduzir a dependência de exportações, o Brasil está posicionado para ampliar o uso de soluções mais sustentáveis, um investimento para o futuro.

Um dos projetos é da Yara com nomes como a Raízen, usando amônia verde do biometano, que caminha para ser o "primeiro fertilizante verde". Cossa acredita que a crise pode abrir espaço para que essa "agenda positiva" seja acelerada. "São soluções que trariam mais estabilidade para toda a cadeia", diz o executivo.

Na produção brasileira, outro desafio para o curto e longo prazo será reconstruir a imagem do agro nacional no exterior, na opinião dos especialistas.

Cossa lembra que os produtores brasileiros "já pagam um prêmio" no exterior por uma produção que não é vista como ambientalmente correta, muito disso não devido a fatores reais, mas à imagem ainda ruim do Brasil na frente ambiental.

Maia, do BTG, pontuou que o Brasil pode estar deixando de acessar mercados valiosos, mesmo com avanços na frente ambiental. "Talvez estejamos deixando de captar um nicho que paga melhor", diz.

"Fica um problema que passa a ser geopolítico, que é como nossos parceiros estão reconhecendo isso. Podemos estar fazendo o dever de casa, a lição sendo bem feita - mas como isso está sendo passado para o resto do planeta?", diz, afirmando que esta é uma demanda para todos os países, não só o Brasil, e que os produtores brasileiros têm a ganhar se o país ampliar esforços de comunicação.


Acompanhe abaixo o dia de debates no SuperAgro, com as principais questões econômicas e políticas que influenciarão o campo em 2022, e confira aqui a agenda completa:

yt thumbnail

 

Acompanhe tudo sobre:AgronegócioEstados Unidos (EUA)EXAME-no-InstagramFertilizantesSustentabilidadeUcrânia

Mais de EXAME Agro

Agro paulista cresce 12,8% nos primeiros cinco meses de 2024

"Não temos compromisso com o erro", diz Fávaro sobre cancelamento do leilão de arroz

Safra de milho deve se manter em 127 milhões de toneladas no Brasil, prevê USDA

Brasil deve colher 169 milhões de toneladas de soja na safra 2024/25, estima USDA

Mais na Exame