EXAME Agro

China prevê produção de 650 bilhões de kg de grãos em 2023

O sucesso na safra de grãos neste ano é resultado de uma combinação de fatores, incluindo condições climáticas favoráveis em áreas que escaparam de desastres naturais

China: outro ponto de destaque é a estabilidade na área de plantio de soja no país (Lucas Ninno/Getty Images)

China: outro ponto de destaque é a estabilidade na área de plantio de soja no país (Lucas Ninno/Getty Images)

China2Brazil
China2Brazil

Agência

Publicado em 23 de outubro de 2023 às 17h39.

Última atualização em 23 de outubro de 2023 às 18h25.

A China espera atingir um marco histórico na produção de grãos em 2023, superando a impressionante marca de 650 bilhões de quilogramas, de acordo com informações reveladas por um alto funcionário do governo chinês. Zeng Yande, diretor do Departamento de Desenvolvimento e Planejamento do Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais, fez o anúncio durante uma coletiva de imprensa realizada nesta segunda-feira, 23.

O sucesso na safra de grãos neste ano é resultado de uma combinação de fatores, incluindo condições climáticas favoráveis em áreas que escaparam de desastres naturais e a implementação de medidas técnicas para melhorar o rendimento agrícola em vastas extensões de terras. Esses esforços resultaram em um desempenho excepcional das colheitas nessas regiões.

Embora a produção de grãos de verão tenha registrado uma ligeira queda de 1,3 bilhão de quilogramas em comparação com o ano anterior, totalizando 146,1 bilhões de quilogramas, esse valor ainda representa o segundo nível mais alto já alcançado. Além disso, a área destinada ao cultivo de grãos de outono tem mantido um crescimento constante, indicando que a produção deverá aumentar em relação ao ano anterior, como ressaltou Zeng.

Outro ponto de destaque é a estabilidade na área de plantio de soja na China, que se manteve acima de 10 milhões de hectares pelo segundo ano consecutivo. Tanto a área quanto o rendimento da colza experimentaram aumentos, e outras culturas oleaginosas, como amendoim e girassol, estão seguindo uma tendência de estabilidade.

Além das informações relacionadas aos grãos, o governo chinês também divulgou dados sobre a produção suína. Nos primeiros nove meses de 2023, a produção de carne suína na China registrou um aumento de 4%, atingindo um total de 43 milhões de toneladas em comparação com o ano anterior. Até 30 de setembro, o país contava com 42,4 milhões de porcas férteis, garantindo uma capacidade de produção abundante e um fornecimento seguro para o mercado, como enfatizado por Zeng.

As perspectivas são de que a produção suína continue a crescer, o que resultará em um aumento constante no suprimento de carne suína no mercado. No entanto, especialistas alertam que os preços podem registrar aumentos, embora não devam atingir níveis alarmantes, especialmente durante o pico da temporada no quarto trimestre, como declarado por Chen Guanghua, diretor do Departamento de Pecuária do Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais.

Acompanhe tudo sobre:Exame-AgroChinaGrãos

Mais de EXAME Agro

Importação nos portos do Paraná cresce 14% nos cinco primeiros meses de 2024, impulsionada por trigo

Plano Safra 2024/25: ministro confirma lançamento para a semana que vem; veja data

Greening: prazo para produtor entregar relatório em SP vai até 15 de julho

Cana-de-açúcar: expansão da área e queda na produtividade devem marcar safra 2024/25, diz Itaú BBA

Mais na Exame