Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

Mercado de reciclagem de baterias se prepara para boom do futuro

O aumento da demanda e o alto custo para a fabricação requer que um mercado de reciclagem seja estabelecido

Modo escuro

Pesquisadora Anna Vanderbruggen: mistura de elementos químicos para sistema de reciclagem de grafite, em um laboratório de Freiberg, Alemanha, em 27 de fevereiro de 2023 (Reprodução/AFP)

Pesquisadora Anna Vanderbruggen: mistura de elementos químicos para sistema de reciclagem de grafite, em um laboratório de Freiberg, Alemanha, em 27 de fevereiro de 2023 (Reprodução/AFP)

A pesquisadora Anna Vanderbruggen observa uma garrafa de um líquido escuro e borbulhante, resultado de um processo que desenvolveu para recuperar o grafite de velhas baterias de íons de lítio.
Embora o grafite represente até um quarto do peso das baterias, ninguém formulou um plano viável para reciclá-lo, afirma Vanderbruggen.

A pesquisadora de 29 anos ainda está aprimorando seu método, mas já recebeu um prêmio do Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia (EIT) por seu trabalho.

À medida que a Europa transita de veículos de combustão para elétricos, a reciclagem do grafite e de outros componentes da bateria se torna mais relevante. Ainda mais quando o continente busca se livrar de sua dependência de países como a China para obter matérias-primas.

Até agora, "os fabricantes de baterias não estavam interessados" em reciclar grafite, porque "conseguiam barato na China", disse Vanderbruggen à AFP.

Desenvolvido no Instituto de Pesquisa Helmholtz, em Freiberg, na Alemanha, seu método envolve a extração de grafite da "massa preta", um pó que também contém cobalto, níquel, lítio e manganês.

"Você coloca a massa preta na água e adiciona alguns produtos químicos e bolhas de ar, como em uma banheira de hidromassagem", explicou Vanderbruggen, natural da França.

“O grafite adere às bolhas, enquanto os metais são hidrofílicos e, portanto, permanecem na água", acrescenta.

Vanderbruggen também é consultora de empresas que exploram oportunidades futuras com a reciclagem de baterias de carros elétricos.

Custos crescentes

O aumento dos custos e a escassez de matérias-primas têm motivado um crescente interesse pelo assunto.

O preço do lítio cresceu 13% nos últimos cinco anos, segundo Philippe Barboux, professor de química da Universidade PSL, de Paris. Segundo ele, o lítio não é reciclado em grande escala, "porque não é lucrativo".

Mas isso pode mudar com 350 milhões de carros elétricos que devem chegar às estradas do mundo até 2030, contra 16,5 milhões em 2021, de acordo com a Agência Internacional de Energia (AIE).

"Em dez anos, serão fabricadas tantas baterias que o lítio terá de ser, absolutamente, reciclado, do contrário não haverá o suficiente", disse Barboux.

Em tese, já existe tecnologia para reciclar quase todos os materiais que compõem as baterias de íon-lítio, segundo especialistas consultados pela AFP.

O grupo alemão Aurubis, um dos maiores fornecedores de metais não ferrosos, diz ser capaz de reciclar pelo menos 95% dos metais que compõem a "massa preta" em uma planta piloto instalada em Hamburgo.

O grupo minerador francês Eramet, a belga Umicore e a montadora alemã Mercedes também iniciaram empreendimentos similares. A maioria desses projetos ainda está em fase piloto.

Como as baterias tendem a durar de sete a oito anos, ainda não há "baterias em fim de vida suficientes" para abastecer o mercado, explica Serge Pelissier, diretor de pesquisa da Universidade Gustave Eiffel, de Lyon.

Também existem muitos modelos de baterias de automóveis, o que dificulta o estabelecimento de um sistema de reciclagem padronizado, como existe para telefones celulares, ou laptops.

A União Europeia quer que as novas baterias incorporem 16% de cobalto reciclado e 6% de lítio e níquel reciclados até 2031. E que pelo menos 70% do peso das baterias usadas seja reciclado nesse mesmo prazo.

"Se recuperarem novos componentes como o grafite, poderão atingir essas metas", observa Vanderbruggen.

Créditos

Produtos Recomendados pela Exame

Últimas Notícias

ver mais
Temos como garantir transações seguras para o Real Digital, afirma Catalina Tobar, da Visa
Tecnologia

Temos como garantir transações seguras para o Real Digital, afirma Catalina Tobar, da Visa

Há 21 horas
Conheça o C919, 1º avião de passageiros de fabricação nacional da China
Tecnologia

Conheça o C919, 1º avião de passageiros de fabricação nacional da China

Há um dia
Qualcomm diz que IA exigirá mais do que nuvem consegue processar
Tecnologia

Qualcomm diz que IA exigirá mais do que nuvem consegue processar

Há um dia
WhatsApp ganha nova central de segurança para proteção de contas dos usuários
ExameLab

WhatsApp ganha nova central de segurança para proteção de contas dos usuários

Há um dia
icon

Branded contents

ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais