• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Indústria da moda é responsável por até 10% das emissões de CO2

Em 2021, mais do que nunca ser sustentável vai estar na moda
 (Site Exame/Germano Lüders)
(Site Exame/Germano Lüders)
Por Karin SalomãoPublicado em 17/12/2020 05:20 | Última atualização em 11/02/2021 14:01Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Há mais roupa sendo produzida no mundo e logo em seguida descartada, depois de pouco uso. O consumidor médio compra hoje 60% mais peças de vestuário do que há 15 anos e cada item é utilizado por apenas metade do tempo. O impacto da fabricação é enorme: a indústria da moda é responsável por entre 8% e 10% das emissões de gás carbônico e é a segunda indústria que mais consome água, gerando cerca de 20% de todo o esgoto e água despejados no ambiente, segundo dados da Organização das Nações Unidas. Mas o consumidor está cada vez mais consciente desse problema.

Que tal viajar mais no mundo pós-pandemia? Conheça o curso de liberdade financeira da EXAME Academy 

Em resposta, grandes varejistas e fabricantes brasileiras estão criando novas coleções e tecnologias para reduzir os danos. Entre as iniciativas estão processos industriais para reduzir o uso da água, emprego de energia renovável nas lojas e nas fábricas e projetos de economia circular. Por enquanto, algumas iniciativas se restringem a determinadas coleções. “Imaginar a indústria da moda de forma mais sustentável é uma jornada. Não é possível mudar tudo do dia para a noite”, diz Valesca Magalhães, gerente de sustentabilidade da Riachuelo.

Uma das apostas das grandes varejistas é incentivar que as peças sejam usadas até o fim de sua vida útil, seja por meio de doações, reciclagem, seja pela venda em brechós — que de lojinhas de garagem viraram negócios bilionários. A startup Enjoei é um exemplo: criada em 2009, abriu o capital na bolsa em novembro deste ano e está valendo cerca de 2 bilhões de reais. A Arezzo&Co também comprou um brechó online, o Troc, na primeira transação do fundo de venture capital do grupo, o ZZ Ventures. Já as varejistas Renner e C&A anunciaram parcerias com a startup Repassa – que, criada em 2015 e recebendo atualmente cerca de 50.000 peças por mês para venda no site, já tinha uma parceria com a Malwee desde o ano passado. Conheça a seguir as principais iniciativas dos grandes grupos brasileiros.

 

(Arte/Exame)