• AALR3 R$ 20,09 -1.03
  • AAPL34 R$ 67,78 0.62
  • ABCB4 R$ 16,69 0.24
  • ABEV3 R$ 14,05 -0.57
  • AERI3 R$ 3,60 -0.28
  • AESB3 R$ 10,73 1.04
  • AGRO3 R$ 31,17 0.19
  • ALPA4 R$ 20,58 -1.20
  • ALSO3 R$ 19,29 1.47
  • ALUP11 R$ 27,35 0.15
  • AMAR3 R$ 2,42 0.83
  • AMBP3 R$ 29,86 -1.45
  • AMER3 R$ 21,81 -4.68
  • AMZO34 R$ 64,94 1.83
  • ANIM3 R$ 5,45 1.68
  • ARZZ3 R$ 78,84 -1.20
  • ASAI3 R$ 15,80 -0.63
  • AZUL4 R$ 20,22 -2.27
  • B3SA3 R$ 11,74 -2.33
  • BBAS3 R$ 37,10 -1.85
  • AALR3 R$ 20,09 -1.03
  • AAPL34 R$ 67,78 0.62
  • ABCB4 R$ 16,69 0.24
  • ABEV3 R$ 14,05 -0.57
  • AERI3 R$ 3,60 -0.28
  • AESB3 R$ 10,73 1.04
  • AGRO3 R$ 31,17 0.19
  • ALPA4 R$ 20,58 -1.20
  • ALSO3 R$ 19,29 1.47
  • ALUP11 R$ 27,35 0.15
  • AMAR3 R$ 2,42 0.83
  • AMBP3 R$ 29,86 -1.45
  • AMER3 R$ 21,81 -4.68
  • AMZO34 R$ 64,94 1.83
  • ANIM3 R$ 5,45 1.68
  • ARZZ3 R$ 78,84 -1.20
  • ASAI3 R$ 15,80 -0.63
  • AZUL4 R$ 20,22 -2.27
  • B3SA3 R$ 11,74 -2.33
  • BBAS3 R$ 37,10 -1.85
Abra sua conta no BTG

O surfista e a simbiose à frente da digitalização da Mormaii

Marco Aurélio Raymundo, o Morongo, buscou na biologia a inspiração para levar sua empresa, a fabricante de artigos esportivos Mormaii, ao varejo multicanal
 (Divulgação/Eduardo Marques/Tempo Editorial)
(Divulgação/Eduardo Marques/Tempo Editorial)
Por Lucas AmorimPublicado em 12/03/2020 05:30 | Última atualização em 12/03/2020 05:30Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Aos 72 anos, o médico Marco Aurélio Raymundo, conhecido como Morongo, recorre a seus conhecimentos de biologia para explicar a digitalização da Mormaii, fabricante de roupas esportivas que fundou há 40 anos em Garopaba, no litoral sul de Santa Catarina. “A tecnologia é como a mitocôndria, um corpo estranho ao nosso, com DNA próprio, que vive em simbiose conosco”, diz.

Para Morongo, fã de obras de evolução e de distopias, o predomínio das máquinas sobre os seres humanos é inevitável. E a única saída para as companhias que não queiram ficar pelo caminho — e, num tom mais alarmista, para toda a humanidade — é atuar em simbiose com os robôs. A lição das mitocôndrias, acredite, fez a Mormaii ser uma das varejistas mais avançadas do Brasil na integração entre os canais de venda físico e digital.

A Mormaii foi criada em 1976, quando Morongo, médico, se mudou para Garopaba e precisou costurar à mão roupas de borracha para surfar nas águas geladas durante o inverno. As roupas de borracha ainda são fabricadas em oficinas na sede da companhia, de forma essencialmente artesanal, e podem custar facilmente mais de 1.000 reais.

Mas a receita da companhia, estimada em 350 milhões de ­reais, vem da variedade: são 30 linhas de produtos, que incluem chinelos, camisetas, capacetes, malas, suplementos, energéticos, bicicletas. Quem analisa a entrada em novos nichos de negócio, por licenciamento, ainda é Morongo. “Começamos num nicho, consolidamos uma história e só então começamos a expandir”, diz Morongo. “Não há limite para a variedade de produtos, o que não pode é perder a qualidade e o espírito da marca.”

A força da marca está baseada em sustentabilidade e qualidade de vida, dois conceitos que acompanham a empresa desde seu início. Quatro décadas mais tarde, auxiliam a Mormaii a se destacar no mar aberto da internet. “Temos uma marca difícil de ser copiada, o que tem nos ajudado a superar competidores muito maiores não só na internet como também nas lojas ­físicas”, afirma Sacha Juanuk, diretor de marketing da companhia. É ele o responsável por levar a empresa para o varejo online nos últimos três anos. A premissa da Mormaii é que tanto a empresa quanto seus franqueados e revendedores ganhem com os pedidos feitos online.

De Garopaba, Juanuk, habituado a trabalhar de chinelos, comanda um azeitado processo de venda que integra as lojas físicas aos estoques. O primeiro a topar a ideia de distribuir de sua loja as compras feitas online foi um franqueado na cidade de Joinville, em Santa Catarina, em 2017. Os pedidos realizados em sua região passaram a ter o preço cotado partindo de diferentes pontos: centro de distribuição da Mormaii, centro de distribuição do fabricante ou loja mais próxima. Hoje, 60% das 23 lojas da Mormaii são também distribuidoras de produtos comprados online.

A meta é expandir o número de unidades para 60 em dois anos. Além disso, a companhia passou a selecionar no ano passado outro tipo de franqueado: pessoas que constroem pequenos galpões apenas para atender à demanda das compras online feitas na região. O estoque avançado pode ser até um cômodo de uma casa. Até agora, a Mormaii tem nove dessas estruturas, chamadas docas, mas a meta é ter uma por estado em dois anos. O próximo passo é integrar as surf shops multimarcas à estrutura.

Seria o último passo da integração dos canais da Mormaii — aquele processo conhecido pelos consultores de varejo como omnicanalidade. Mas Morongo e Juanuk preferem mesmo chamar de simbiose entre homem e máquina. “A invasão da tecnologia vai trazer mudanças genéticas, órgãos artificiais, algoritmos aprendendo até a alma e a cultura da empresa. Vai ser punk”, diz Morongo. “Esse é um desafio de todos nós e de todas as empresas.” Para além da Mormaii, o empresário está construindo um iate de 70 pés com baterias de íon lítio e um avião de carbono que pousa e decola na água — os dois supereficientes em energia e prontos para qualquer tragédia. O mundo está mudando, e Morongo, definitivamente, não quer esperar para ver.