Acompanhe:
seloRevista Exame

Há uma máxima que afirma que uma mudança súbita de realidade — sejam 15 minutos de fama, um evento traumático, seja até ganhar muito dinheiro — pode transformar completamente a vida de alguém. São eventos raros, em ocasiões igualmente raras, capazes de impactar também o futuro de grupos inteiros, de sociedades, e seu modo de viver. Neste momento, é possível que uma mudança assim esteja em curso na economia, por algo que opera num campo entre o real e o virtual: o ultradigital bitcoin.

A criptomoeda, sempre vista com desconfiança por governos e investidores tradicionais, está mais famosa do que nunca, e seu valor de mercado experimenta uma alta recorde de 250% nos últimos 12 meses, com uma única unidade do ativo flutuando entre 65.000 e 73.000 dólares em valor. Há, por assim dizer, um momento de ruptura no caminho quase sempre instável da criptomoeda.

Por trás dessa valorização está a escassez, uma característica intrínseca do bitcoin. Da mesma forma que o preço de commodities, o valor do bitcoin é sensível à demanda. Mas isso ficou ainda mais evidente com o lançamento, em janeiro, dos fundos de índices negociados na bolsa de valores americana, conhecidos pela sigla em inglês ETFs. Essa modalidade cria ativos físicos da moeda digital e facilita sua liquidez na conversão para outros ativos.

Desde que foram aprovados pela Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC, na sigla em inglês), os investidores aportaram 7 bilhões de dólares nesses papéis.

No mês de março, 5% das reservas de bit­coin já correspondiam a fundos ETFs. “Atualmente, dentro do ecossistema de cripto, o bitcoin se firma como o ativo de menor risco. A aprovação dos ETFs diminuiu as incertezas regulatórias para os investidores e alterou a percepção de risco”, afirma Augusto Pezzini, CIO da gestora Metrix.

Vitalik Buterin, criador do Ether: no longo prazo, a criptomoeda deve mostrar vantagens em relação ao bitcoin (Lionel Ng/Bloomberg/Getty Images)

Outra contribuição ao momento de maior euforia da moeda é o processo de geração de novos bitcoins. O código de computador que fundamenta o bitcoin impõe o limite rígido de existirem apenas 21 milhões de moedas. No entanto, mais de 90% desse total já foi criado. Esse processo, chamado de mineração, exige que os computadores e seus proprietários sejam recompensados com bitcoins novos no momento em que finalizam o ciclo que confirma as transações de um determinado período. Mas há um limite: toda a cadeia de mineradores só pode gerar cerca de 900 novos bitcoins por dia, uma taxa que deve cair no próximo mês após um evento periódico chamado halving, que reduz a recompensa para os mineradores a cada quatro anos.

“No jargão econômico, a oferta de bitcoin seguirá inelástica, ou seja, independentemente de oscilações nos preços, a quantidade ofertada permanecerá relativamente constante”, diz Fábio Murad, gestor da Ipê Investimentos. Esse funcionamento foi definido por Satoshi Nakamoto, o criador anônimo da moeda digital, como uma forma de evitar a inflação dentro do sistema bitcoin. Se nada mudar, o último bitcoin está programado para surgir por volta do ano de 2140.

Mas com a boa fase, há também a previsão de que os detentores de grandes quantias de criptos optem por vender suas posições. Este momento é corriqueiro na trajetória do bit­coin, marcada por altas seguidas por quedas descomunais: após seu último pico, em novembro de 2021, o bitcoin caiu mais de 70% no ano seguinte. Para os analistas mais céticos — incluindo autoridades governamentais e executivos do mercado financeiro —, se mantém a posição de que o bitcoin é um ativo sem valor intrínseco.

As altcoins e memecoins, que aglomeram os câmbios com propostas diferentes do bitcoin e, em alguns casos, são piadas nascidas nas redes sociais, também estão se capitalizando e fortalecendo a ideia geral de moedas virtuais. O ether, segunda maior cripto do mundo, experimentou uma valorização que, segundo previsões, deve ultrapassar em breve a do bitcoin.

A diferença é que, além de ancorada na alta do bitcoin, será estimulada pela atualização de seu sistema de blockchain, que deixou seu funcionamento menos custoso do ponto de vista energético. Uma transação que anteriormente poderia onerar o sistema em 1 real para ser publicada agora pode ficar em 1 centavo; outra que custava centavos poderá custar uma mera fração disso.

Jensen Huang, CEO da Nvidia: empresa aproveitou a alta do bitcoin por dominar o setor de hardware de mineração (I-HWA CHENG/AFP/Getty Images)

Em um mundo que precisa ser mais ESG, o bitcoin deve patinar um pouco mais para perder a fama de poluente. A moeda está na lista das menos ecológicas.

Em outras palavras, seu funcionamento tem impacto ambiental exageradamente alto devido à grande quantidade de energia necessária para manter os computadores que fazem os complicados cálculos das transações. Até 2030, a moeda deverá passar a consumir 1% da energia elétrica disponível no mundo.

Esse dado assusta os investidores mais tradicionais e que miram índices de sustentabilidade condizentes com as metas de sustentabilidade desta década.

Do lado oposto está o ether, considerado o ativo digital mais sustentável do planeta, seguido da solana, que tem um sistema de processamento similar, e da cardano. Para o bitcoin contornar a questão, terá de contar com a transição energética global, que já tem ajudado a moeda. De acordo com o Bitcoin Mining Council (um fórum global de empresas do setor), em 2023 63% dos mineradores de bit­coin já usavam energia renovável — dois anos antes eram 49%.

Ainda assim, o destoante Vitalik Buterin, russo criador da criptografia Ethereum, que roda o ether, afirma que a capacidade de aprimoramento da moeda que criou se manterá por muito tempo como vantagem diante de outros câmbios.

O jovem inovador de 30 anos afirmou publicamente que contará com o uso da inteligência artificial (IA) para deixar o ether superior no consumo de energia, na velocidade com que faz transações, e mais robusto na variedade de registros e trocas de ativos suportados.

Com isso, espera garantir a longevidade da blockchain perante avanços como a computação quântica, que tornará vulneráveis as moedas digitais por usar um poder de processamento capaz de violar a segurança criptográfica de todos os ativos existentes.

Distante do sobe e desce das criptos, mas diretamente envolvida, está a taiwanesa ­Nvidia, empresa responsável pelo design dos chips que fazem os cálculos de mineração do bit­coin e também impulsionam a incensada inteligência artificial. A companhia viu na pandemia a demanda por hardware para cripto crescer 200%.

Na posição de líder, tomou distância de concorrentes como a Radeon e a Intel, e ultrapassou a marca de 2 trilhões de dólares na bolsa. A empresa, que surfa a onda do bitcoin do topo, além de sinônimo de alta tecnologia, sintetiza a combinação de inovações em que ninguém apostava como definidoras do futuro.

Com a manutenção do crescimento da moeda nos próximos meses, espera-se que, em algum momento, o valor de 1 milhão de dólares por unidade seja atingido — ascendendo junto toda uma nova economia criada ao lado dela. Se esse patamar, inimaginável no momento, chegar, o bitcoin não será apenas o ativo que emergiu, mas também o que decolou.


La cripto nación

El Salvador arriscou ao adotar o bitcoin como moeda corrente. A aposta deu lucro, mas no dia a dia o dólar ainda impera

Praça Moran, no centro da capital de El Salvador: o país obteve lucro de 84 milhões de dólares com bitcoins (John Coletti/Getty Images)

 

Menor país da América Central, El Salvador é do tamanho do estado de Sergipe e tem quase a mesma população que a cidade do Rio de Janeiro. Seu índice de desenvolvimento humano (IDH) está abaixo da média dos emergentes e as taxas de analfabetismo e empregabilidade estagnaram em 2014.

Cerca de 25% dos domicílios urbanos não têm água encanada e apenas 17% das casas são servidas por rede de esgoto. Apesar dos números, digamos, complicados, El Salvador é a primeira nação, e única, a adotar o bitcoin como moeda oficial ao lado do dólar americano.

Sob o comando do autoritário Nayib Bukele, o país, que regulamentou o bitcoin via lei, comprou cerca de 2.800 unidades da cripto entre 2021 e 2022, a um preço médio de 42.599 dólares, segundo o site Nayib Bukele Portfolio Tracker, que rastreia a quantidade de bitcoins adquiridos pelo governo salvadorenho.

Com a alta mais recente, obteve um lucro de 84 milhões de dólares com o ativo digital. Contudo, é apenas uma reversão de perdas do país, que ficou com o investimento no vermelho nos últimos dois anos.

Publicamente, o presidente afirma que essa é apenas uma parte da conversão cambial que o país fez. Outra provém de medidas como um programa de pagamento em criptomoeda para obtenção de cidadania no país, receitas com conversão do ativo em dólar em comércios locais, recursos com mineração de bitcoin e receita com serviços governamentais.

Além disso, soma-se o interesse de empreendedores libertários que encontram facilidades fiscais para levarem suas carteiras para o país. Com todas essas frentes, o saldo de criptomoeda seria muito maior que o projetado, assim como um lucro potencial seria maior.

Mesmo que a aposta pouco ortodoxa seja questionada por organizações como o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI), é uma tentativa do país de se modernizar por um caminho que poucos tentaram.

Um dos bons resultados pode ser analisado pelo fato de ter conseguido honrar pagamentos dos títulos de dívida nos últimos dois anos, com retornos de 70% para os credores. A condição tem chamado a atenção de JPMorgan, Eaton Vance e PGIM Fixed Income, que recomendaram ou compraram a dívida da nação.

A população de El Salvador, no entanto, ainda não adotou definitivamente o bitcoin. Nos pequenos comércios da capital de San Salvador,a moeda é aceita, mas o câmbio volátil e de funcionamento complexo afasta os salvadorenhos, que ainda preferem usar o dólar nas transações.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Chegou a hora: halving do bitcoin ocorre nesta sexta; saiba o detalhes
Future of Money

Chegou a hora: halving do bitcoin ocorre nesta sexta; saiba o detalhes

Há um dia

JPMorgan diz que preço do bitcoin está “sobrecomprado” provavelmente vai cair após o halving
Future of Money

JPMorgan diz que preço do bitcoin está “sobrecomprado” provavelmente vai cair após o halving

Há um dia

Halving não impulsionou máximas sozinho no passado, alega Goldman Sachs
Future of Money

Halving não impulsionou máximas sozinho no passado, alega Goldman Sachs

Há um dia

Por que o halving só acontece uma vez a cada quatro anos? Tudo sobre o “evento do ano” do bitcoin
Future of Money

Por que o halving só acontece uma vez a cada quatro anos? Tudo sobre o “evento do ano” do bitcoin

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais