Revista Exame

O mundo torce para Xi Jinping achar novo modelo para China

Xi Jinping terá nove anos para encontrar um novo modelo econômico para a China

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 14 de fevereiro de 2014 às 12h46.

São Paulo - Nove meses no comando da segunda maior economia do mundo, e o presidente chinês Xi Jinping já vem sendo chamado, em tom de brincadeira, de Xi Xiaoping, numa alusão a outro presidente, Deng Xiaoping, responsável pela abertura econômica que colocou o país numa rota espetacular de crescimento.

A comparação deve-se à amplitude das reformas anunciadas na reunião de cúpula do Partido Comunista Chinês, em novembro — e, também, à torcida para que ele de fato mude a cara da China. Em 1978, Xiaoping assumiu um país faminto e agrário. Xi está à frente de um país muito mais rico e também mais complexo.

Em 35 anos, a China tornou-se o maior exportador do mundo, tirou 300 milhões de pessoas da pobreza e se transformou na locomotiva do crescimento mundial. Xi sabe que, para manter o ritmo, será preciso encontrar um novo modelo de desenvolvimento.

A combinação de pesados investimentos estatais e exportações fez da China o fenômeno que é — mas o modelo tem dado sinais de esgotamento, com o crescimento saindo da casa dos 10% anuais para os 7,5% de hoje.

Há anos os líderes chineses sabem que o caminho à frente é estimular o consumo interno como motor de crescimento. Mas o desafio sempre foi fazer a transição sem trombadas, já que o modelo anterior tem nos baixos salários um pilar fundamental.

As estatais chinesas estão no centro das reformas planejadas por Xi. Elas terão de aumentar sua eficiência e colaborar com o plano de previdência que o país está criando (fundamental para estimular o consumo). O sistema bancário, sempre candidato a sofrer as consequências da farra de empréstimos às estatais, também será reformado.

Os bancos terão liberdade para definir as taxas de juro cobradas nos empréstimos, por exemplo, e competir pelos clientes. Mas, como tudo que cerca o sistema político chinês, as certezas são poucas, e as dúvidas, muitas.

Xi Jinping será mesmo um reformista à Deng Xiaoping? Ou a expectativa atual será frustrada pela realidade, como na década anterior? A partir de agora, e ao longo dos próximos nove anos de seu mandato, todos aguardarão ansiosamente pela resposta.

Acompanhe tudo sobre:ÁsiaChinaEdição 1056GovernoXi Jinping

Mais de Revista Exame

Melhores do ESG: os destaques do ano em energia

ESG na essência

Melhores do ESG: os destaques do ano em telecomunicações, tecnologia e mídia

Conheça o castelo na França exclusivo para convidados da Moët & Chandon

Mais na Exame