• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,99 -0.48
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.99
  • AERI3 R$ 3,65 -1.35
  • AESB3 R$ 10,76 0.56
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,30 -2.12
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,82 0.83
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,90 -2.10
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,22 0.02
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,99 -1.18
  • B3SA3 R$ 12,12 2.62
  • BBAS3 R$ 37,06 3.81
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,99 -0.48
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.99
  • AERI3 R$ 3,65 -1.35
  • AESB3 R$ 10,76 0.56
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,30 -2.12
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,82 0.83
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,90 -2.10
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,22 0.02
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,99 -1.18
  • B3SA3 R$ 12,12 2.62
  • BBAS3 R$ 37,06 3.81
Abra sua conta no BTG

O que fazer para ter sucesso já no primeiro dia de um negócio

O primeiro dia da nova empreitada pode ser desafiador, e até mesmo assustador. Por onde começar?
 (Thinkstock/Foto)
(Thinkstock/Foto)
Por Carlos Caldeira Filho, especialista em empreendedorismoPublicado em 24/03/2017 15:00 | Última atualização em 24/03/2017 15:00Tempo de Leitura: 4 min de leitura

O que fazer no primeiro dia de um novo negócio?

Então, você finalmente criou coragem e resolveu empreender. Talvez porque apareceu a oportunidade, ou porque quis ser dono de seu próprio nariz, ou, ainda, como os jovens cada vez mais expressam, quis ter de fato impacto no mundo e no país.

O primeiro dia da nova empreitada, veja bem, pode ser desafiador, e até mesmo assustador. Por onde começar?

Na literatura do empreendedorismo, existe uma longa discussão entre duas “escolas”: a escola do planejamento e a escola do aprendizado. A primeira acredita que o planejamento aumenta a eficácia das ações humanas em geral, e em particular, das empresas nascentes. Já para a escola de aprendizado foca no aprendizado das tentativas e erros e em uma abordagem incremental para a construção de nova empresa.

Qual é o caminho certo? Qual a melhor abordagem?

A escola do planejamento é dominante nas escolas de negócio (Delmar e Shane, 2003). A maioria dos cursos de empreendedorismo se inicia ou dá bastante ênfase a montagem do plano de negócio como conhecimento a ser adquirido.

Podemos então supor que a relação entre fazer um plano de negócios e o desempenho, crescimento e sobrevivência das empresas está firmemente estabelecido.

Curiosamente, estabelecer esta relação não foi tão fácil. Apesar de a conversa entre as escolas de planejamento e aprendizado vir pelo menos desde a década de 90, os anos 2000 foram pródigos em estudos sobre planos de negócio e desempenho das empresas que apresentavam resultados contraditórios entre si. A briga em favor de uma relação positiva só foi parcialmente selada no final da década (Brinckmann et al 2010).

Quais as vantagens, então, de se executar o plano de negócios com antecedência? A principal parece ser a de organizar o pensamento do empreendedor. Organizar as ideias e fazer com que os diversos blocos de construção de um modelo de negócios sejam coerentes e alinhados.

Entretanto, nem tudo são flores para a escola de planejamento. O autor de negócios Paul Brown conta uma história interessante.

Ele teve uma ideia para um novo livro. Pesquisaria empreendedores de sucesso e pediria os planos de negócio originais destas empresas. Ao analisar estes planos, seria possível descrever seus fatores de sucesso. Como conta Brown, ao analisar os planos de negócio, uma surpresa: os planos não tinham quase nenhuma relação com aqueles negócios de sucesso.

Uma das “teorias alternativas” à escola de planejamento é a chamada Effectuation, da prof. Sarasvthy, da Darden School. O Effectuation preconiza que a criação bem-sucedida de novos negócios se baseia em alguns princípios.

Evidencio aqui dois deles que são importantes para meu argumento. Um deles é o princípio do pássaro na mão: empreendedores começam com o que eles têm e não procurando o que falta. Eles usam experiência, conhecimento adquirido e trabalham cooperativamente com uma rede de confiança. Um segundo princípio que destaco é o foco não no que foi planejado, mas sim em adaptar o que foi planejado as circunstâncias atuais.

Como enfatiza o professor Scott Shane, um novo negócio é uma hipótese sendo constantemente testada.

Então, começar por onde?

A melhor sugestão parece ser um pouco dos dois. Fazer um bom planejamento pode ser interessante, para organizar as ideias, entender o que ainda “não se sabe”. Existe uma série de recursos disponíveis na internet sobre como montar o plano de negócios. Estude também a metodologia do Canvas do Business Model Generation (Osterwalder 2011).

Mas lembre-se de que o plano inicial provavelmente será alterado. Não o use como uma camisa de força. Ao mesmo tempo, acessar a sua rede de confiança dará acesso a recursos que aumentarão o portfólio de ações possíveis. E quem sabe começar a operar em larga escala, controlando as perdas possíveis, para trazer informações que seriam possíveis de conseguir apenas na base do planejamento e em informações secundárias. Testar a ideia em um ambiente controlado.

Ou seja: planejar e aprender ao mesmo tempo.

Carlos Caldeira Filho é professor de Empreendedorismo do Insper.

Envie suas dúvidas sobre primeiro negócio para pme-exame@abril.com.br.