• AALR3 R$ 20,17 -0.64
  • AAPL34 R$ 67,00 -0.53
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,84 2.07
  • AGRO3 R$ 31,13 0.06
  • ALPA4 R$ 21,20 1.78
  • ALSO3 R$ 19,00 -0.05
  • ALUP11 R$ 27,07 -0.88
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,07 2.54
  • AMER3 R$ 21,88 -4.37
  • AMZO34 R$ 64,88 1.74
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,46 -0.43
  • ASAI3 R$ 15,70 -1.26
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,91 -0.92
  • BBAS3 R$ 37,57 -0.61
  • AALR3 R$ 20,17 -0.64
  • AAPL34 R$ 67,00 -0.53
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,84 2.07
  • AGRO3 R$ 31,13 0.06
  • ALPA4 R$ 21,20 1.78
  • ALSO3 R$ 19,00 -0.05
  • ALUP11 R$ 27,07 -0.88
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,07 2.54
  • AMER3 R$ 21,88 -4.37
  • AMZO34 R$ 64,88 1.74
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,46 -0.43
  • ASAI3 R$ 15,70 -1.26
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,91 -0.92
  • BBAS3 R$ 37,57 -0.61
Abra sua conta no BTG

Mulheres inovaram mais que homens nos negócios durante a pandemia

Pesquisa do Sebrae com a FGV mostra que as empreendedoras tiveram mais agilidade que os homens para adotar inovações nos negócios
Empreendedorismo feminino: segundo a pesquisa, 71% das mulheres usam tecnologias para vender seus produtos durante a pandemia (Getty Images/Getty Images)
Empreendedorismo feminino: segundo a pesquisa, 71% das mulheres usam tecnologias para vender seus produtos durante a pandemia (Getty Images/Getty Images)
Por Carolina IngizzaPublicado em 25/09/2020 12:37 | Última atualização em 25/09/2020 16:06Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Todos os negócios brasileiros foram afetados pela crise causada pela pandemia do novo coronavírus. Apesar disso, a forma com que cada empresa lidou com a crise foi diferente. Analisando pequenos negócios fundados por homens e mulheres, uma pesquisa do Sebrae com a Fundação Getulio Vargas (FGV), feita entre os dias 27 e 31 de agosto, mostra que as empreendedoras foram mais ágeis na hora de implementar inovações a seus negócios.

Segundo a pesquisa, 71% das mulheres usam redes sociais, aplicativos e a internet para vender seus produtos e serviços. Em contrapartida, só 63% dos homens usam essas ferramentas. 

A vantagem feminina também permanece quando analisado o uso de delivery e as mudanças feitas nos produtos e serviços das empresas. As entregas foram implementadas em 19% dos negócios administrados por mulheres e 14% nos dos homens.

Em relação à inovação, 11% das empreendedoras disseram ter inovado em seus negócios durante a crise, enquanto somente 7% dos homens declararam ter feito alguma mudança nesse sentido.

As diferenças na adoção de tecnologia entre empreendedores homens e mulheres pode ser explicada por dois fatores, segundo disse o presidente do Sebrae, Carlos Melles, à Agência Sebrae de Notícias. Para ele, as mulheres empreendedoras têm um nível de escolaridade médio maior que os homens. Elas também são mais jovens: 24% delas têm até 35 anos, ante 18% deles. 

Faturamento, crédito e retomada

Ainda assim, os negócios das mulheres estão com faturamento ligeiramente pior do que os dos homens. Segundo a pesquisa, 78% das empreendedores disseram estar com a receita mensal menor desde o começo da pandemia. Em comparação, entre os homens, a taxa é de 76%.

Mesmo assim, elas estão menos propensas a buscar crédito no mercado. Segundo a pesquisa do Sebrae com a FGV, desde março, 54% dos empreendedores do sexo masculino buscaram crédito. Entre as mulheres, a proporção é quase espelhada: 55% delas não buscaram empréstimos.

Mas em relação ao sucesso daqueles empreendedores que buscaram, quase não houve diferenças entre os gêneros: apenas 22% dos homens e 23% das mulheres que buscaram crédito conseguiram o dinheiro. A maior parte disse que o banco não informou qual foi o motivo para a não concessão de crédito. Outra parte dos entrevistados disse que a razão foi o CPF negativado ou com restrição. 

Outra diferença grande de comportamento entre homens e mulheres empreendedores é em relação a dívidas. A maior parte das mulheres ouvidas (36%) disse não ter dívidas, enquanto a maior parcela dos homens entrevistados (37%) afirmou ter dívidas em dia. 

Em relação ao futuro, os dois grupos de empreendedores acreditam que a situação econômica do Brasil deve voltar ao normal em 11 meses. Sobre seus negócios, as mulheres estão mais pessimistas. Apesar de 76% delas terem retomado as atividades, 68% acreditam que menos da metade dos clientes voltarão em 30 dias. Entre os homens, 61% acreditam nessa projeção.