Com o lixo gerado na pandemia, esta empresa vai crescer 25% em 2020

A demanda por produtos da fabricante de sacos plásticos Embalixo está em alta porque menos gente quer usar sacolinha do supermercado com medo da covid-19

O pânico generalizado com a contaminação pela covid-19 fez muita gente mudar a rotina ao voltar do supermercado. Ficou para trás o hábito de reaproveitar as sacolas plásticas fornecidas pelo supermercado para embalar o lixo doméstico — um foco potencial de vírus.

Em vez disso, na tentativa de minimizar o risco de ser alvo da pandemia, há quem tenha passado a comprar sacolas plásticas descartáveis — aqueles sacos pretos à venda em prateleiras dos supermercados.

A substituição está alavancando os negócios da Embalixo, fabricante de sacos plásticos de Hortolândia, no interior paulista. Em 2020 a empresa deve faturar 140 milhões de reais, uma expansão de 25% sobre o faturamento do ano passado. “Fazia tempo que não crescíamos desse jeito”, diz Rafael Costa, presidente da empresa, fundada há 17 anos em Campinas e hoje com unidades em Hortolândia e em Manaus.

Na lista de motivos para a expansão da empresa em meio à crise está também o fato de que mais gente em casa está produzindo mais lixo — e demandando mais os produtos da Embalixo. “Esse movimento compensou perdas em outras demandas importantes antes da pandemia, como a de restaurantes”, diz ele.

 

O mercado de embalagens para lixo no Brasil oferece oportunidades que, com o perdão do trocadilho, estão longe de se jogar fora. Segundo Costa, apenas 8% do lixo no Brasil é embalado em sacolas destinadas para este fim. O restante é via sacolinhas de supermercado. “Nos Estados Unidos, 99% compram sacolas destinadas para isso”, diz ele.

A demanda pela Embalixo já vinha embalada antes da pandemia por causa da proliferação de leis municipais endurecendo as regras para a concessão de sacolas plásticas em supermercados, numa tentativa de prefeitos e vereadores de reduzir a poluição causada pelo item.

Com tudo isso jogando a favor, a Embalixo deve investir 20 milhões de reais em novos produtos neste ano. Entre as apostas estão sacolas plásticas “verdes”, com emissão reduzida de carbono na fabricação.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.