Mercedes vê vendas estáveis no 4º trimestre apesar de crise de chips

Embora os gargalos na oferta de chips tenham sido agravados pela recente paralisação de fábricas na Malásia, a demanda por carros de luxo da Mercedes permanece muito forte na China, Europa e América do Norte

Por Christoph Rauwald, da Bloomberg

A Mercedes-Benz, principal divisão da Daimler, espera que as vendas se estabilizem no quarto trimestre e ainda busca gerar retornos de dois dígitos este ano, apesar da crise global de semicondutores.

Embora os gargalos na oferta de chips tenham sido agravados pela recente paralisação de fábricas na Malásia, a demanda por carros de luxo da Mercedes permanece muito forte na China, Europa e América do Norte, disse o diretor financeiro da Daimler, Harald Wilhelm, em entrevista.

“Atualmente, prevemos um volume de vendas mais normal no quarto trimestre, provavelmente no nível do primeiro ou do segundo trimestre, mas ainda muito abaixo do que planejamos anteriormente”, disse Wilhelm. A unidade ainda tem como meta margem de lucro operacional entre 10% e 12% para 2021.

O CEO da Daimler, Ola Kallenius, alertou este mês que a escassez de chips deve provocar uma queda significativa das vendas no trimestre atual e avisou que os problemas de oferta não desaparecerão totalmente no próximo ano. Embora a crise tenha afetado a produção, também levou montadoras a priorizarem carros mais rentáveis, ajudando a aumentar as margens da Mercedes para níveis não vistos há anos.

A fabricante alemã se esforça para manter o nível atual de rentabilidade, embora alguns custos, como despesas de viagens, devam subir novamente quando a pandemia for controlada, disse Wilhelm.

“Nossos resultados recentes mostram que fizemos progresso na redução do nosso ponto de equilíbrio”, disse o diretor financeiro. “Temos a firme intenção de manter nosso foco na disciplina de custos e provar que podemos sustentar o nível de margem atual.”

Desempenho das ações

Manter uma forte rentabilidade seria um longo caminho para alcançar a desejada reclassificação das ações da Daimler, o que também pode ser devido à planejada cisão da Daimler Truck ainda este ano. Os investidores devem votar sobre a cisão em assembleia extraordinária de acionistas em 1º de outubro.

A Daimler disse que a Mercedes manterá uma participação de 35% na empresa de caminhões. A montadora se comprometeu a ficar com as ações da unidade por três anos, embora o acordo inclua uma possível opção de vender os papéis depois de um ano.

Embora investidores e analistas tenham elogiado a cisão da divisão de caminhões, as ações da Daimler ainda são negociadas com múltiplos preço/lucro mais baixos do que as de empresas de bens de luxo e de tecnologia.

“O ‘valuation’ atual ainda não reflete totalmente o potencial da empresa, mas deve se tornar visível assim que a listagem separada da unidade de caminhões for finalizada em dezembro”, disse Wilhelm.

  • Quais são as tendências entre as maiores empresas do Brasil e do mundo? Assine a EXAME e saiba mais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também