Fusão Fiat e Peugeot Citroën: emprego será mantido, diz CEO da Stellantis

Em sua primeira conferência com a imprensa global, Carlos Tavares garantiu que a união das montadoras cria escala para a sobrevivência das empresas

A maior fusão da indústria automotiva global, entre Fiat Chrysler Automobiles (FCA) e PSA Peugeot-Citroën, gera não só grandes números mas também muito receio acerca do futuro das empresas envolvidas. Para Carlos Tavares, presidente da Stellantis — companhia resultante da união dos dois grupos —, o emprego será mantido.

"Não fecharemos fábricas em decorrência da fusão. Para proteger o emprego, é preciso aumentar escala para diluir custos e é isso que estamos fazendo", disse o executivo em sua primeira conferência global com a imprensa nesta terça-feira, 19.

O executivo acrescentou que as sinergias previstas com a união das empresas, de 5 bilhões de euros, não devem colocar pressão sobre os empregos. "Demissões ocorrem quando não há escala para fazer frente ao aumento de preços resultante de novas regulações."

A Fiat Chrysler e a PSA começaram a negociar no final de 2019, após o fim das tratativas entre a FCA e a Renault para uma fusão. A Stellantis soma 14 marcas globalmente, com cerca de 400.000 funcionários em fábricas espalhadas em mais de 30 países.

Tavares reforçou, em inúmeras oportunidades, que as regulações dos países sobre emissões e veículos elétricos elevam os custos das montadoras e que a indústria está preparada para atender a essas legislações, mas os governos precisam "colaborar" para a implantação dessas novas tecnologias.

"Na América do Sul, por exemplo, não vejo possibilidade de eletrificação dos veículos no curto e médio prazo, mas isso ainda é possível, com a colaboração entre montadoras e governos."

Segundo o executivo, não basta criar veículos elétricos, é preciso também torná-los acessíveis. "Para oferecer carros elétricos ao consumidor, precisamos de escala e margens."

Segundo Tavares, a FCA está fazendo um "grande trabalho" na América do Sul, mas o futuro das fábricas localmente também depende do governo. "A fusão é um escudo para proteger o emprego, mas como o governo brasileiro quer que a indústria automotiva evolua?", indagou.

Excelente, não apenas grande

O presidente da Stellantis reforçou a busca pela excelência, discurso que vem sendo disseminado entre as montadoras nos últimos meses, em meio à forte transformação do setor e à crise gerada pela pandemia. "O propósito da empresa não é somente ter volumes, mas sim excelência. Vamos ser líderes em mobilidade."

As duas empresas somam 167 bilhões de euros em vendas (balanço referente a 2019) e um lucro de 12 bilhões de euros. O grande foco para o futuro será a mobilidade em suas diversas formas e a eletrificação.

"Já temos um portfólio significativo de elétricos, o que mostra que estamos na direção correta", disse Tavares. "Mas queremos torná-los acessíveis e isso vai acontecer com as sinergias e ganho de escala da fusão."

Sobre a rede de distribuição, Tavares afirmou que o foco das concessionárias do mundo todo terá de ser a satisfação do cliente. "Não queremos canibalização entre as marcas e vamos trabalhar para que haja eficiência na rede."

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também